Ciências do Desenvolvimento Humano - Dissertações - CCBS Higienópolis (a partir de 2024)

URI Permanente para esta coleção

Antigo curso de Disturbios do Desenvolvimento

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 12
  • Dissertação
    Adolescentes com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: autopercepção do acompanhamento parental das rotinas escolares no ambiente familiar
    Cabral, Patrícia Moraes (2024-02-28)

    Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS)

    O Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) pode levar a impactos negativos no desempenho escolar e maiores riscos para a ocorrência de problemas emocionais e comportamentais. As dificuldades, assim como os sintomas de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade, podem ser agravadas ou atenuadas dependendo da parentalidade exercida pelos pais ou cuidadores. Por exemplo, o engajamento parental em atividades escolares, como monitoramento e estimulação adequada, contribui para o desenvolvimento de habilidades acadêmicas nas crianças e adolescentes com TDAH. Estudos anteriores exploraram tanto a percepção de pais ou cuidadores sobre impactos do TDAH para eles próprios ou para as crianças e adolescentes com TDAH, quanto a autopercepção dos adolescentes com TDAH sobre suas dificuldades. Contudo, existem poucos estudos que exploram a percepção de adolescentes com TDAH sobre o suporte parental que eles recebem em relação à rotina escolar. Diante disto, o presente estudo visou explorar a percepção de adolescentes com TDAH sobre o acompanhamento parental de rotinas escolares no ambiente familiar e sua associação com o nível de conhecimento dos pais sobre o transtorno e problemas emocionais e comportamentais dos adolescentes. O estudo adotou um desenho transversal e exploratório. Participaram do estudo 24 adolescentes com TDAH e seus pais/cuidadores responsáveis, divididos de acordo com a faixa etária: Grupo 1: 12 adolescentes de 11 a 14 anos; e Grupo 2: 12 adolescentes de 15 a 17 anos. Os participantes foram recrutados através de mídias digitais, como Instagram e Facebook, seguindo critérios de conveniência. Os instrumentos de coleta de dados foram: Questionário de Capacidades e Dificuldades/Strengths and Difficulties Questionnaire (SDQ); Questionário de Conhecimento e Opinião Parental sobre Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade; Questionário de Verificação de Acompanhamento Escolar; Questionário de caracterização sociodemográfica da amostra; e Formulário de Classificação socioeconômica. Os resultados evidenciaram que há concordância entre a percepção dos pais e adolescentes sobre suas capacidades e dificuldades está bem alinhada, e há um aumento na convergência com os adolescentes mais velhos. O baixo monitoramento dos pais favorece o desenvolvimento de problemas relacionados à saúde mental dos adolescentes com TDAH, apesar de o nível de conhecimento dos pais acerca do TDAH não estar relacionado com a forma de auxílio oferecida por eles. Os dados apresentados confirmam a necessidade do envolvimento parental no contexto acadêmico dos adolescentes.
  • Dissertação
    Política de educação inclusiva nas escolas na visão do gestor escolar
    Martinho, Simone Munhoz Soares (2024-02-07)

    Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS)

    A educação inclusiva tem sido um grande desafio para o sistema educacional. O gestor escolar assume um papel importante para a superação dos desafios encontrados durante a construção de um ambiente inclusivo, pois é ele que lidera as mudanças necessárias em toda a escola. A liderança exercida pelo gestor escolar deve ser compartilhada com todos os membros da comunidade escolar para que todos se tornem responsáveis na tomada de decisões no ambiente escolar. Algumas pesquisas demonstram que a gestão escolar democrática e participativa constitui-se em um aspecto fundamental para se construir uma cultura inclusiva no ambiente educacional. Este estudo teve como objetivo identificar a visão do gestor escolar sobre a política de educação inclusiva nas escolas. A amostra do estudo foi composta por dados de 132 gestores de escolas de todos os estados do país, sendo 66 gestores de escola pública e 66 gestores de escola privada de ensino regular. O instrumento de coleta de dados foi um questionário, no formato on line, desenvolvido para mapear a política de educação inclusiva da escola. Antes de ser aplicado para os gestores, o questionário foi submetido à análise de 6 juízes, no intuito de se obter evidência de validade de conteúdo. O Índice de Validade de Conteúdo do instrumento atingiu 88%, acima portanto, do índice mínimo de concordância de 80%. Para análise dos dados coletados, a pesquisa utilizou o método quantitativo e qualitativo. No tocante à existência da gestão democrática nas escolas, os resultados demonstraram que a gestão escolar está mais centralizada na equipe pedagógica com maior participação da família e do professor para a elaboração do Projeto Político Pedagógico e das diretrizes da educação inclusiva nas escolas públicas. Em relação às 3 principais dificuldades encontradas pelo gestor para a implementação de uma educação inclusiva, foram mencionadas estrutura e recursos, professores e atendimento ao aluno. Destacando-se que o gestor da escola privada identificou a falta de apoio da família como a sua maior dificuldade para a implementação da educação inclusiva. Por outro lado, o gestor da escola pública cita dificuldades que estão mais vinculadas aos recursos financeiros oriundos do Estado, tais como, falta de material adequado, de recursos humanos e de professores especializados. A pesquisa apontou ainda que a maioria dos gestores afirmou cumprir as políticas públicas brasileiras que tratam sobre educação inclusiva, mas acredita que elas não contribuem para a concretização da educação inclusiva no país. Em vista disso, as políticas públicas devem ter como foco meios que subsidiem as escolas de propiciar uma educação inclusiva. Em suma, os resultados evidenciaram que ainda há muito trabalho a ser feito pelo gestor, tendo em vista o número crescente de matrículas de alunos de inclusão nas escolas, propondo-se ao gestor uma reflexão quanto à existência da gestão democrática na escola e ao seu papel de mobilizador de ações educativas que envolvam a comunidade escolar para a concretização de uma política educacional inclusiva nas instituições de ensino.
  • Dissertação
    Estratégias de resolução de conflitos entre escolares: o antes e o depois da pandemia da Covid-19 sob a lente de professores
    Vidal, Caroline de Oliveira Melo (2024-02-22)

    Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS)

    A resolução de conflitos entre pares é uma demanda de intervenção frequente na prática docente e formas de qualificar a mediação de professores diante de situações conflituosas têm sido um tema recorrente em pesquisas na área da educação. A presente dissertação investigou estratégias de resolução de conflitos entre escolares no retorno às aulas presenciais, após o período de ensino remoto/modelo híbrido, decorrente da pandemia da COVID-19. Como hipótese, esperava-se que a restrição às possibilidades de interação social contínua e o distanciamento da rotina escolar poderiam ter afetado o desenvolvimento de habilidades e estratégias cooperativas de resolução de conflitos entre pares. A partir da perspectiva Construtivista do conhecimento e, portanto, entendendo a interação com o meio essencial para possibilidades mais plenas de desenvolvimento, foram coletados dados sobre o período de distanciamento social e suas possíveis consequências para o aspecto socioemocional do desenvolvimento de estudantes. Utilizou-se uma abordagem exploratória, de caráter empírico e qualitativo. A amostra foi composta por professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental de escolas brasileiras, públicas e privadas, que preencheram 3 instrumentos: Questionário 1 (n = 39); Questionário 2 (n = 23); e entrevistas de profundidade (n = 4). Buscou-se verificar se as estratégias utilizadas pelos estudantes para resolver conflitos no retorno às aulas presenciais são diferentes daquelas observadas pelos docentes antes do distanciamento social, estabelecido no Brasil a partir de março de 2020. As respostas foram analisadas a partir da teoria da Análise de conteúdo (Bardin, 2011) e os resultados também foram comparados com dados anteriores à pandemia da COVID-19 existentes sobre o tema na literatura. Observou-se que as causas de conflito entre pares mantiveram-se as mesmas de antes da pandemia, porém, sendo vivenciadas com maior intensidade ou gravidade no retorno às aulas presenciais. Em todas as três fases de coleta os professores indicaram perceber diferenças nas estratégias de resolução de conflitos adotadas por seus alunos e associaram essas diferenças ao período de distanciamento social, à escolarização remota ou híbrida e à consequente ausência de oportunidades de conviver com outras crianças. Há também a percepção de que o retorno às aulas presenciais favoreceu o desenvolvimento de habilidades necessárias para o estabelecimento de relações interpessoais mais colaborativas. Espera-se que a presente pesquisa favoreça a reflexão e uma intervenção docente mais qualificada diante das demandas de atuação em direção à construção da personalidade ética de estudantes no presente momento.
  • Dissertação
    Atendimento Educacional Especializado na Rede Municipal de Ensino Paulistana : características do professor, práticas pedagógicas e relações com a autoeficácia docente
    Perez, Joice Pereira (2024-02-28)

    Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS)

    De acordo com o censo escolar do INEP, desde o ano de 2004 o número de estudantes público da Educação Especial matriculados na rede regular de ensino vem superando o número de matrículas nas Escolas Especializadas, trazendo novos desafios à Educação Especial Inclusiva para a garantia de permanência e aprendizagem dos estudantes. A compreensão das práticas e estratégias de ensino utilizadas pelos professores, suas lacunas e barreiras pode contribuir para fomentar políticas públicas que promovam a qualificação do atendimento a este público. Este estudo tem como objetivo caracterizar o Atendimento Educacional Especializado (AEE), descrevendo o perfil acadêmico dos professores, suas práticas pedagógicas, barreiras que dificultam o trabalho, senso de autoeficácia para práticas inclusivas e suas relações com perfil dos estudantes público do AEE. Estudo quantitativo, transversal, exploratório e correlacional. A amostra contou com 61 professores designados nas Salas de Recursos Multifuncional do Atendimento Educacional Especializado, das unidades educacionais do ensino fundamental da Diretoria Regional de Educação Pirituba/Jaraguá, da Rede Municipal da cidade de São Paulo. Os instrumentos utilizados foram: questionário sociodemográfico (perfil de formação dos professores e caracterização dos estudantes público do AEE) e a Escala de Eficácia Docente para Práticas Inclusivas. Foram realizadas análises descritivas de frequências e análises inferenciais de correlação de Pearson, utilizando-se alpha < 0,05 para significância. Os resultados mostraram maior senso de autoeficácia em professores com mais formações, maior tempo de experiência no magistério e maior idade, corroborando com achados de estudos internacionais. A colaboração e articulação entre os professores, evidenciou correlações positivas para autoeficácia docente, sugerindo novas configurações ao AEE que superem a modalidade em contraturno. O perfil dos estudantes evidenciou a maioria com TEA e melhor autoeficácia dos professores junto aos estudantes com maior idade e maior frequência a sala de recursos multifuncionais. Foram identificadas barreiras para a inclusão, como a falta de recursos humanos, de especialização pedagógica e presença de barreiras atitudinais da equipe, as quais apresentaram correlações negativas com a autoeficácia docente. Este estudo descreve e evidencia aspectos que necessitam de atenção nas políticas públicas educacionais voltadas para a inclusão, para que possam atuar em uma melhor qualificação do trabalho docente realizado no AEE.
  • Dissertação
    Impactos da depressão pós-parto no desenvolvimento psicomotor de bebês brasileiros durante a pandemia de Covid-19
    Guadagnin, Simone Moraes de Ávila (2024-02-05)

    Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS)

    Evidências científicas robustas demonstram que exposição a elevados níveis de estresse nos primeiros anos de vida aumenta significativamente o risco de desfechos desfavoráveis no desenvolvimento infantil . Um dos fatores associados com a elevação do estresse infantil diz respeito a problemas de saúde mental materna no período pós natal, os quais geram diminuição de disponibilidade dos materna para interação espontânea, menor sensibilidade e responsividade aos sinais da criança, e d e reduções do nível de estimulação ambiental oferecido. Eventos adversos como a pandemia de C OVID 19 carregam o potencial de elevar os níveis deste impacto. Pesquisas recentes apontam para desempenhos inferiores nas habilidades cognitivas e autorregulatórias de bebês que vivenciaram seus primeiros meses e anos de desenvolvimento durante a pandemia de COVID 19. Até onde temos conhecimento, estudos quantitativos que digam respeito à população brasileira neste contexto ainda não foram publicados. O presente estudo te ve como objetivo investigar o impacto da depressão pós parto durante a pandemia de COVID 19 no desenvolvimento de bebês brasileiros, caracterizando os índices de sintomas compatíveis com Depressão Pós Parto durante a pandemia em uma amostra de mulheres puérperas residentes no Brasil, e o risco para problemas de desenvolvimento em seus bebês após a pandemia. Bem como, analisar o papel potencial da depressão pós parto como preditor de risco para problemas de desenvolvimento infantil. Est e estudo utilizou dados coletados online de uma pesquisa mais alargada realizada durante a pandemia de COVID 19 sobre os seus impactos na saúde mental e experiências de puérperas até seis meses pós parto (julho de 2020 a fevereiro de 2021). Posteriormente foram col etados os dados sobre o desenvolvimento infantil na perspectiva materna (outubro de 2022 a maio de 2023). A amostra foi composta por 64 mulheres puérperas, entre 24 e 44 anos , majoritariamente brancas 75%75%)), casadas 81.3%)81.3%), com escolaridade de nível superior ( 90.6%), e provenientes da região sudeste do Brasil (67.2 %)%). No período da avaliação do desenvolvimento (pós pandemia), seus bebês encontravam se na faixa etária entre 27 e 40 meses, sendo 34 meninos ( e 29 meninas ( As mães foram contatadas via e mail, sendo apresentado o estudo e solicitado o consentimento. Foram utilizados os seguintes questionários: Questionário sociodemográfico e clínico, Escala de Depressão Pós Natal de Edimburgo (EPDS), Ages & Stages Questionnaire 3ª ed. (ASQ 3) e Ages & St ages Questionnaire Socioemotional (ASQ SE), adaptados para formato online por meio da plataforma Qualtrics. Os resultados do estudo revelaram que 43,8% das puérperas apresenta ram sintomas potencialmente clínicos de d epressão p ós p arto durante a pandemia de COVID 19 . Quanto ao desenvolvimento dos bebês após a pandemia, um maior risco de problemas de desenvolvimento foi registrado nos domínios Motor Fino e Pessoal Social com 29.7% dos casos . Por sua vez, os domínios Comunicação, Motor a Amplo e Resolução de Problemas revelaram risco em aproximadamente 11% dos casos. Também ao nível socioemocional os resultados “ Para que bebês se convertam em adultos saudáveis e independentes, dependem totalmente de que lhes seja dado um bom princípio: amor é o nome desse vínculo.” (D.W. mostraram que mostraram que 88.7% dos bebês 88.7% dos bebês foram percebidos pela mãe como tendo umforam percebidos pela mãe como tendo um desenvolvimento dentro de desenvolvimento dentro de esperado.esperado. OOs resultados s resultados também também indicaram que níveis mais elevados de sintomas de indicaram que níveis mais elevados de sintomas de ddepressão epressão ppósós--pparto durante arto durante a pandemia foram preditores estatisticamente significativos de maior a pandemia foram preditores estatisticamente significativos de maior risco de problemas de risco de problemas de desenvolvimento no domínio Resolução de Problemasdesenvolvimento no domínio Resolução de Problemas. Cont. Contudo, udo, os sintomas de depressão maternaos sintomas de depressão materna não não demonstrdemonstraramaram ser preditorser preditoreses significativsignificativosos de risco para problemas de desenvolvimento nos domínios de risco para problemas de desenvolvimento nos domínios Comunicação, Motor AmploComunicação, Motor Amplo, Motor Fino, Motor Fino e Pessoale Pessoal--Social. Social. Por fimPor fim, ter irmãos foi um preditor , ter irmãos foi um preditor marginalmente significativomarginalmente significativo, , popossível fator de proteçãossível fator de proteção,, para para menor risco de problemas de menor risco de problemas de desenvolvimento desenvolvimento nno domínio Motor Finoo domínio Motor Fino.. Em suma, os resultados de nosso estudo demonstraram que Em suma, os resultados de nosso estudo demonstraram que a pandemia de COVIDa pandemia de COVID--1919 teve um teve um impacto negativo significativo na saúde mental de puérperas impacto negativo significativo na saúde mental de puérperas no Brasilno Brasil, podendo este cenário ser ainda , podendo este cenário ser ainda mais alarmantemais alarmante , especialmente se atentarmos para o fato de que nossa amostra apresent, especialmente se atentarmos para o fato de que nossa amostra apresentou,ou, majoritariamentemajoritariamente,, as as características sociodemográficas etnia branca, níveis de escolaridade superior, características sociodemográficas etnia branca, níveis de escolaridade superior, etnia branca, proveniente da região sudeste, e condição socioeconômica etnia branca, proveniente da região sudeste, e condição socioeconômica possivelmente mais elevadapossivelmente mais elevada, , que que não representam a totalidade da população brasileiranão representam a totalidade da população brasileira.. Além disso, a saúde mental materna durante Além disso, a saúde mental materna durante a pandemia, especificamente os sintomas de depressão pósa pandemia, especificamente os sintomas de depressão pós--parto, tiveram também impacto negativo no parto, tiveram também impacto negativo no risco de desenvolvimento de áreas específicas do funcionamento dos bebês.risco de desenvolvimento de áreas específicas do funcionamento dos bebês. Esta pesquisaEsta pesquisa alcança sua relevância na medida em que evidencia um índice altamente significativo alcança sua relevância na medida em que evidencia um índice altamente significativo da prevalência de DPP durante a pandemia de COVIDda prevalência de DPP durante a pandemia de COVID--19 no Brasil, alertando para a necessidade de 19 no Brasil, alertando para a necessidade de prioridade para prioridade para políticas públicas políticas públicas com amplitude, profundidade e endereçadascom amplitude, profundidade e endereçadas a saúde mental de a saúde mental de mulheres puérperas, especialmente em situações de crise sanitária. mulheres puérperas, especialmente em situações de crise sanitária. Por outro lado, foco principal desta Por outro lado, foco principal desta pesquisa, o estudo pesquisa, o estudo contribui para a literatura ncontribui para a literatura no campoo campo do desenvolvimento infantil, do desenvolvimento infantil, revelando os índices revelando os índices de desede desenvolvimento infantil logo após a pandemia, trazendo luz aos impactos desta crise sanitária no nvolvimento infantil logo após a pandemia, trazendo luz aos impactos desta crise sanitária no desenvolvimento infantil. Mostrandodesenvolvimento infantil. Mostrando--se as crianças especialmente vítimas no tocante ao seu processo se as crianças especialmente vítimas no tocante ao seu processo de desenvolvimento. Fato que solicita de desenvolvimento. Fato que solicita imediatimediataa ação, no que tange a elaboração e prática deação, no que tange a elaboração e prática de programas programas de de rastreio, rastreio, avaliação e intervenção precoce para os bebêsavaliação e intervenção precoce para os bebês, crianças possivelmente afetadas,, crianças possivelmente afetadas, a fim de a fim de mitigar osmitigar os efeitosefeitos em seuem seu desenvolvimentodesenvolvimento e, consequentemente, e, consequentemente, em toda suaem toda sua vida futura.vida futura.