O Adelpha, Repositório Digital do IPM, tem como objetivos armazenar, preservar, divulgar e dar acesso à produção científica e intelectual, entre outros documentos de caráter histórico e de interesse do Instituto Presbiteriano Mackenzie, contribuindo desse modo para o aumento da sua visibilidade e impacto, garantindo a preservação da memória intelectual da Instituição.

Submissões Recentes

Dissertação
A arquitetura de Roberto Loeb: simulação digital de seis projetos não construídos
Chang, David Dalmas (2024-04-25)

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU)

A presente pesquisa tem por objetivo interpretar projetos não construídos concebidos pelo arquiteto Roberto Loeb entre as décadas de 1970 e 2000. Esta investigação tem como objeto de análise seis projetos, com foco no sistema de circulação e suas características arquitetônicas. O levantamento bibliográfico inicial, baseado no banco de dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior (CAPES), aponta a lacuna sobre o estudo dos projetos deste importante arquiteto contemporâneo, cuja produção expressiva tem se destacado no cenário brasileiro nas últimas décadas. Com mais de 250 projetos e obras construídas, Roberto Loeb e Associados atuam em temas que variam de eminentes projetos industriais, sedes administrativas de grandes empresas nacionais e internacionais, até projetos de pequeno porte, como residências, agências bancárias e espaços corporativos, além da participação em projetos de escala urbana, mostrando um forte interesse pelos problemas das grandes cidades e do meio-ambiente. O recorte temporal proposto abrange o período de maior atividade profissional do arquiteto, demonstrando a evolução de seu trabalho ao longo de quatro décadas. A contribuição original será revelar as características arquitetônicas nos seis projetos selecionados por meio de novas técnicas computacionais, dentre as quais a renderização em tempo real e a fabricação digital, em conjunto com um processo interpretativo dos projetos a partir dos ensinamentos da Fenomenologia. O intuito é aprofundar a compreensão dos projetos por meio do redesenho, da modelagem geométrica e de simulações virtuais.
Tese
Desempenho das diretrizes AGA, Fukuoka e Europeia em pacientes com incidentalomas císticos mucinosos do pâncreas submetidos, antes de sua aplicação, à ultrassonografia endoscópica com punção por agulha fina
Pacheco, Débora Azeredo de Castro (2023)

Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR)

Introdução: Consensos internacionais, como American Gastroenterological Association (AGA-2015), IAP/Fukuoka (IAP-2017) ou European Study Group (DE-2018) são as diretrizes comumente usadas para identificar pacientes com alto risco de desenvolver câncer ou com câncer. Sua aplicabilidade, entretanto, baseia-se na investigação por exames de imagem, como tomografia computadorizada (TC), colangiopancreatografia por ressonância magnética (CPRM), sem confirmação histológica. A adoção desta estratégia favorece o tratamento excessivo. Objetivo: Comparar o desempenho e os resultados dessas diretrizes em neoplasia mucinosa incidental (NM) após diagnóstico obtido pela punção com agulha fina guiada por ultrassom endoscópico (USE-PAF). Métodos: Estudo unicêntrico, retrospectivo (2010-2021), com coleta prospectiva de dados de pacientes assintomáticos com NM submetidos a EUS-PAF no Hospital Moriah, em São Paulo, Brasil. A seleção apropriada da coorte incluiu imagens ambíguas quanto ao diagnóstico de NM ou a presença e/ou desenvolvimento de outras características preocupantes, conforme definido pelas diretrizes internacionais. Após análise microhistológica (McH) do material obtido pela USE-PAF, cada um dos critérios da diretriz foi aplicado para identificar câncer entre os pacientes com NM. Resultados: 251 pacientes tiveram o diagnóstico confirmado pela USE-PAF ou cirurgia. A maioria era assintomática, com média de idade de 64,7 anos (25-85 anos), predominantemente do sexo feminino. O diagnóstico final revelou 27,8% (39) com NM maligno ou sinais de alto risco. A sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e negativo e a razão de verossimilhança das diretrizes AGA-2015, IAP-2017 e DE-2018 foram devidamente avaliadas e comparados (p<0,001). Após aplicação dos critérios AGA-2015, IAP-2017 e DE-2018, observou-se que os NM detectados incidentalmente foram encaminhados para cirurgia desnecessariamente em 66%, 46% e 15%, respectivamente (p<0,001). As diretrizes da AGA-2015, IAP-2017 e DE-2018 não identificaram NM malignos e de alto risco em 59%, 33,3% e 46,1%, respectivamente, com (p=1,00). Após o diagnóstico obtido pela USE-PAF, as diretriz da AGA-2015 mostraou-se altamente específicas quando comparadas às demais. Os critérios da IAP-2017, no entanto, mostrou melhor sensibilidade. Em relação ao encaminhamento cirúrgico, todas as diretrizes apresentaram sensibilidade moderada; A AGA-2015 e DE-2018 mostraram especificidade mais precisa e todos perderam um número semelhante de lesões malignas. Conclusão: Este estudo concluiu que a DE-2018 europeia mostrou-se mais precisa para ser utilizada em pacientes com NM assintomática após o diagnóstico obtido pela USE-PAF.
Dissertação
Avaliação do omento como doador de células tronco no miocárdio isquêmico através da análise imuno-histoquímica do CD34
Kubrusly, Fernando Bermudez (2023)

Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR)

INTRODUÇÃO: As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo. O uso de células precursoras hematopoiéticas e os recentes progressos feitos na bioengenharia de enxertos cardíacos oferecem uma nova modalidade terapêutica para a regeneração do tecido cardíaco pós-infarto do miocárdio (IM). O CD34 é um marcador expresso em todas as células precursoras hematopoiéticas e endoteliais, e funciona como fator de adesão celular. O anticorpo que correspondente a este marcador é utilizado na imunohistoquímica para avaliar a formação de novos vasos e a presença de células-tronco. OBJETIVO: O estudo teve por objetivo avaliar a eficácia da omentopexia na neovascularização e na doação de células tronco de corações suínos previamente infartados, a partir da análise imunohistoquímica do CD34. MATERIAL E MÉTODOS: O infarto do miocárdio foi gerado em 4 suínos, por ligadura do 1°e 2° ramos marginais da artéria circunflexa. Em 3 animais realizou-se abrasão cuidadosa do epicárdio infartado seguido de múltiplas perfurações miocárdicas e a mobilização do omento da cavidade abdominal para o mediastino, envolvendo a área infartada e as perfurações. No quarto animal não foi realizado a omentopexia sendo realizado apenas a abrasão e perfuração da área infartada. Todos os animais foram eutanasiados ao 30º dia pós operatório e os corações retirados para avaliação macroscópica, microscópica e Imunohistoquímica do CD34. RESULTADOS: Nas amostras do grupo submetido a omentopexia, ocorreu um aumento de 60% da angiogênese, sendo que nas amostras do animal controle houve marcação mínima. Foram avaliadas quatro amostras de diferentes sítios de cada coração dos animais, totalizando 16 amostras histopatológicas. Todas as amostras foram imunomarcadas para CD-34. CONCLUSÃO: O omento mostrou-se eficiente na indução de neovascularização pela presença de células tronco, vista através da marcação do CD34, demonstrando grande potencial como futura terapêutica para restaurar áreas de miocárdio isquêmico.
Dissertação
Associação entre receptores de membrana CD114 e mortalidade molecular em meduloblastomas
Monteiro, Jander Moreira (2023)

Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR)

Introdução: Os meduloblastomas são os tumores sólidos mais comuns da infância. Eles representam 8-30% dos cânceres cerebrais pediátricos. É um tumor de alto grau, de comportamento agressivo e prognóstico reservado, e cujo tratamento, que envolve cirurgia, quimioterapia e radioterapia, também apresenta uma alta morbidade. São classificados em 4 subgrupos moleculares: WNT, SHH, grupo 3 e grupo 4, com diferenças clínicas, genéticas e prognósticas importantes. Muitos estudos buscam desenvolvimento de novos quimioterápicos para os meduloblastomas através da identificação de genes cuja expressão sejam novos alvos moleculares para drogas, como receptores de membrana associados a replicação celular. Objetivo: Avaliar a associação da expressão de CD114 com a mortalidade de pacientes portadores de meduloblastoma. Metodologia: Foi analisado bancos de dados de consórcio mundial para estudo de meduloblastomas (MAGIC). Esses dados foram analisados quanto a expressão do receptor de membrana CD114 nos diferentes tipos moleculares dos meduloblastomas e sua possível associação com a mortalidade. Resultados: Os resultados evidenciaram diferença na expressão do receptor de membrana CD114 entre o grupo 3 e os demais grupos moleculares, além de diferença entre o subtipo molecular SHH γ e os subtipos moleculares Grupo 3 α e Grupo 3 β. Não houve diferença estatisticamente significativa entre os demais grupos e subtipos. Em relação a mortalidade, o estudo não demonstrou, através de curva de Kaplan-Meier, significância estatística na relação entre expressões baixas e elevadas desse gene e a mortalidade. Discussão: O meduloblastoma é uma doença heterogênea, com bastante variação genética e de vias de sinalização intracelular entre suas variantes. Isso foi demonstrado na incapacidade do estudo de comprovar padrões de expressão do receptor de membrana CD114 entre os diferentes grupos. Assim como este, outros estudos que buscaram relacionar a expressão de CD114 com mortalidade também não conseguiram demonstrar associação direta. É possível que este gene seja parte de uma via de sinalização celular maior, com eventual associação com recidivas tumorais, já que muitos indícios apontam para a relação desse gene com as células-tronco cancerígenas. Conclusões: Este estudo demonstrou que não há relação direta entre a expressão do receptor de membrana CD114 e a mortalidade em pacientes portadores de meduloblastoma. Entretanto, são necessários estudos adicionais sobre as vias de sinalização intracelulares associadas a esse receptor e ao seu gene, o CSF3R.
Dissertação
Avaliação do perfil epidemiológico e correlação do Neutrophil-Lymphocyte Ratio (NLR) e do Platelet-Lymphocyte Ratio (PLR) com complicações e sobrevida em um ano de pós-operatório na cirurgia para metástase óssea do esqueleto apendicular
Teixeira, Matheus Silva (2023)

Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR)

Introdução: A metástase óssea é a neoplasia maligna mais comum do esqueleto, e a tomada de decisão cirúrgica depende de múltiplos fatores, incluindo as complicações pós-operatórias e a expectativa de vida do paciente. A identificação de novos fatores prognósticos pode orientar os profissionais de saúde na tomada de decisão cirúrgica. Objetivo: Analisar o perfil epidemiológico dos pacientes com metástase óssea em ossos longos, a incidência de complicações e taxas de sobrevida pós-operatória. Correlacionar o NLR e PLR com taxas de complicações e sobrevida em 1, 3, 6 meses e 1 ano de pós-operatório. Método: Estudo observacional retrospectivo, com a revisão de 160 prontuários eletrônicos de pacientes submetidos a cirurgia por metástase óssea no esqueleto apendicular durante o período de janeiro de 2010 a dezembro de 2019. Foi traçado o perfil epidemiológico com as seguintes variáveis: idade, gênero, sítio primário, localização da metástase óssea, cirurgia realizada, presença de outras metástases, comorbidade e radioterapia prévia. Foram determinados os valores de NLR e PLR e correlacionados com a sobrevida e com as complicações pós-operatórias. Resultados: A idade média foi 61,5 anos e 64,5% dos pacientes eram do sexo feminino. O sítio primário mais comum foi a mama (62,6%, n=57) e o osso mais acometido foi o fêmur proximal. A taxa de sobrevida média foi de 13,2 meses (0-99,6) e a sobrevida em um ano foi de 34,7% (n=49). A cirurgia de ressecção do tumor com substituição por endoprótese foi o procedimento mais comum. A taxa de complicação pós-cirúrgicas foi de 10% e o tempo médio para a ocorrência de complicações pós-operatórias foi de 27,9 dias (0-140). Foi encontrada a associação da variável neutrófilos com a complicação pós-operatória (p=0,04). A cada 100 unidades a mais de neutrófilos houve um aumento de 1% nas chances de complicações pós-cirúrgicas. Os valores médios do NLR e PLR foram, respectivamente, 5,3 (0,2-30,7) e 199,7 (32,1-676,7). O NLR e PLR não foram um fator de risco para complicação pós-operatória. A partir do 3° mês de pós-operatório, a sobrevida dos pacientes com NLR ≥ 2 (p0.001) diminui de 92,3% para 62,5%, de 69,2% para 41,4% com 6 meses e de 61,5% para 31,3% com 12 meses cirurgia. Os pacientes com PLR ≥ 209 (p0.001) apresentaram uma diminuição na taxa de sobrevida, variando de 69% para 59,3% no 3° mês e de 40,2% para 25,9% com um ano de pós-operatório. Conclusão: Houve uma predominância de pacientes do sexo feminino com tumor de mama. A cirurgia mais frequente foi a ressecção tumoral seguida de reconstrução com endoprótese e a taxa de complicação cirúrgica foi de 10%. A sobrevida em um ano foi de 34,7%. Tanto o NLR quanto o PLR estão associados com uma menor sobrevida em pacientes com MO submetidos ao tratamento cirúrgico, especialmente após 3 meses de pós-operatório.