Letras - Teses - CCL Higienópolis

URI Permanente para esta coleção

Navegar

Submissões Recentes

Agora exibindo 1 - 5 de 189
  • Tese
    O ensino de literatura: entre o vestibular e a formação do leitor literário
    Valcanover , Camila Augusta (2023-12-08)

    Centro de Comunicação e Letras (CCL)

    Esta tese procura compreender como o ensino de literatura no Ensino Médio é afetado pelas indicações de leituras literárias para acesso ao Ensino Superior. Para tanto, utilizamos a pesquisa de abordagem qualitativa, bibliográfica (Bogdan e Biklen, 1994), com viés etnográfico (Lüdke e André, 2015), com métodos procedimentais mistos (Mattar e Ramos, 2021), para análise quantitativa de questionário objetivo e análise de conteúdo (Bardin, 2021) dos questionários discursivos respondidos anonimamente pelos professores e das entrevistas semiestruturadas. A fundamentação teórica foi construída com base nos paradigmas do ensino de literatura (Cosson, 2020a), na construção do conceito de cânone pela historiografia brasileira (Veríssimo, 1954; Candido, 2000; Bosi, 1994; Perrone-Moisés, 1998; Schøllhammer, 2011; e Dalcastagnè, 2012), uma vez que verificamos que muitos professores fundamentam as indicações de leitura por essa perspectiva; na leitura dos documentos oficiais que orientam o ensino de literatura na Educação Básica (Lei das Diretrizes e Bases da Educação, 1996, Lei 10.639/2003, Lei 11.645/2008, Base Nacional Comum Curricular (2018), Lei 14. 407/2022, entre outras; na análise das listas de obras indicadas aos vestibulares de acesso à USP e à UNICAMP de 2016 (ano em que as duas instituições voltaram a divulgar listas independentes) a 2026 (última lista divulgada). Ao longo desta pesquisa verificamos que a divulgação das listas revela o perfil do universitário pretendido pelas Instituições de Ensino Superior (IES): mais que um leitor, um interlocutor para textos de diversos gêneros, produzidos em tempos atuais e longínquos, capaz inclusive, de decidir sobre a melhor tradução para o português. As análises dos questionários, aplicados em duas fases e das entrevistas semiestruturadas, nos permitem afirmar que as indicações de leituras literárias para acesso ao Ensino Superior são consideradas eixos para organização do trabalho com a leitura literária no Ensino Médio. Dessa forma, no corpus analisado, a literatura no Ensino Médio está mais a serviço do que o vestibular espera do leitor do que, propriamente, a formação do leitor literário.
  • Tese
    Discurso político e discurso religioso evangélico: intersecções semióticas de discursos de Jair Messias Bolsonaro
    Rios , Helio Sales (2023-11-29)

    Centro de Comunicação e Letras (CCL)

    O Brasil foi forjado culturalmente de acordo com uma cultura judaico-cristã. Com as leis que seguimos, com as festividades e os feriados que guardamos, nota-se que essa formação seguiu — e ainda segue — essa cultura. Em vista disso, por mais que muitas mudanças são visíveis no que tange ao aspecto de vida dos brasileiros nos últimos anos, ainda temos bem claro esse estilo de vida condizente com essa cultura. Assim, podemos ver os costumes que norteiam essa cultura sendo não apenas fortemente enraizados como também meio de discursos, inclusive os políticos. Na tentativa de vencer eleições, candidatos usam em seus discursos políticos aspectos de discursos religiosos, ou seja, utilizam-se de uma sacralização do discurso político, defendendo o que grupos religiosos baseados na cultura judaico-cristã entendem como o melhor para o país. Em vista desse contexto, este trabalho busca analisar como, em seus discursos políticos, Jair Messias Bolsonaro se apropria de aspectos religiosos, visando a alcançar, principalmente, os evangélicos, que são o foco de pesquisa de nosso trabalho. O objetivo desta pesquisa, portanto, é apresentar como o discurso político tem se apropriado de termos religiosos para o convencimento de eleitores, enquanto os objetivos específicos desdobram-se em: i) verificar como esse convencimento foi construído visando especificamente o grupo evangélico; ii) analisar se tal convencimento pode ser ferramenta suficiente para a eleição de um político; iii) apontar os caminhos utilizados para se chegar a esse convencimento; e iv) apontar, se nesses discursos, aparecem tentativa de troca de favores entre o candidato Jair Messias Bolsonaro e os líderes evangélicos. Sob esse intuito, o arcabouço teórico se fundamenta em essência nos estudos semióticos de Algirdas Julius Greimas, cujos aprofundamentos e contribuições sustentam as análises. Diante da análise de três discursos de Jair Messias Bolsonaro — 1) o discurso do candidato Jair Messias Bolsonaro para a eleição presidencial; 2) o discurso do presidente Jair Messias Bolsonaro em uma homenagem a um músico; e 3) o discurso do candidato à reeleição presidente Jair Messias Bolsonaro —, observa-se que Jair Messias Bolsonaro, nos três discursos, mesmo em situações diferentes, manteve a mesma base discursiva de convencimento no intuito de agradar e aumentar o número de seus eleitores, principalmente no meio evangélico. Por fim, as conclusões alcançadas nos apresentam uma hipótese que, apesar de sair derrotado na última eleição, diferentemente do que ocorreu na primeira, os resultados da votação, em números, mostraram que Bolsonaro teve um aumento no convencimento de seus eleitores evangélicos (bem como no convencimento dos não evangélicos), isto é, ele soube convencer esse grupo específico (com potencial para aumentar) por meio de seus discursos o que poderá, mostrar, assim, uma possível consolidação do “bolsonarismo” nos próximos pleitos.
  • Tese
    A imprensa feminista como ferramenta democrático-popular: uma investigação linguístico-discursiva do periódico “Brasil Mulher”
    Fernandes, Sofia Finguermann e (2023-08-18)

    Centro de Comunicação e Letras (CCL)

    Esta tese propõe, amparada pela Análise do Discurso de linha francesa, uma reflexão sobre a representação feminina na mídia. Para tanto, percorre a trajetória do conceito de ethos conforme Maingueneau, bem como vincula tal corporalidade discursiva à hierarquia social de sexo/gênero, a fim de observar de que maneiras as imagens de si no discurso incidem especificamente sobre as mulheres. Este estudo se debruça especialmente sobre as publicações do periódico Brasil Mulher (BM), que circulou no país entre 1975 e 1980, bem como sobre outros jornais alternativos feministas da imprensa lusófona do século XX. Objetiva-se contribuir com os estudos sobre a representação jornalística de mulheres politicamente atuantes, bem como com a sistematização do próprio conceito de ethos na AD. O jornal estudado teve início como um movimento feminino pela anistia e publicava críticas ao regime ditatorial vigente, priorizando a perspectiva social de brasileiras da classe trabalhadora. Levanta-se a hipótese de que a construção da imagem discursiva da mulher no BM foi sofrendo alterações conforme as mudanças sociais e de acordo com a própria organização política das mulheres brasileiras. Propõe-se que o veículo tenha colaborado para a emancipação feminina, bem como para o processo de redemocratização no país; além disso, algumas pautas apresentadas pelo BM ainda se mostram pertinentes na busca pela equidade de sexo/gênero e nas lutas antirracista e anticapitalista, uma vez que muitas delas não foram superadas. A fim de compreender melhor essas questões, investiga-se a construção discursiva do corpo enunciante no periódico, que se apresenta em uma corporalidade coletiva e política. O corpus não parece convergir com as representações midiáticas costumeiras da mulher politizada (Beard, 2018), mas propõe um fazer jornalístico que valoriza e dá voz a uma coletividade de mulheres comumente silenciadas. Para tanto, realiza-se análises linguístico-discursivas de quatro edições do jornal, investigando principalmente os elementos das capas e as seções de entrevista e cartas dos leitores. Esse recorte permite observar a pluralidade de vozes que compõem esse corpo-político que se constrói discursivamente, possibilita sua categorização e o levantamento de efeitos de sentido que emergem dessa leitura. Pretende-se, por fim, refletir sobre caminhos discursivos alternativos para a representação da mulher na mídia – pensar formas de transpor as barreiras de acesso ao discurso que as mulheres enfrentam e as representações midiáticas tendenciosas que cerceiam seu fazer político.
  • Tese
    Caio Fernando Abreu: a trajetória do eu-escritor em suas cartas
    Holanda, Camila Vilela de (2023-05-05)

    Centro de Comunicação e Letras (CCL)

    Esta pesquisa examina a correspondência ativa de Caio Fernando Abreu, a fim de compreender sua trajetória como escritor, sua formação de leitor e sua atuação e experiência como leitor crítico. As missivas, corpora desse trabalho, foram organizadas pelo pesquisador Italo Moriconi na obra Cartas (2002), que abrange quatro décadas (1960, 1970, 1980 e 1990), e nelas podem ser lidas as (trans)formações iniciais de Abreu, seguidas das primeiras publicações, as mudanças de estilo, as aventuras pelos gêneros e a consciência do eu-escritor. Este estudo, por meio das análises das cartas de Caio Fernando Abreu, delineia a trajetória do vir a ser do escritor, revelando a consciência do seu papel como tal, inserido em uma realidade social específica, emoldurada nos seus anos de atuação. Como apoio teórico para responder a nossos objetivos, elegemos as obras Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, 1750 - 1880 (1959) e Literatura e sociedade (1959), de Antonio Candido, no que se refere à fundamentação teórica a respeito da compreensão do escritor enquanto sujeito social, bem como os lugares que ele ocupa no âmbito dos vértices que sedimentam o sistema literário. Os estudos críticos da pesquisadora Ana Gallego Cuiñas corroboram o entendimento das cartas como um material profícuo e revelador da literatura de Abreu, vista como um fato social, estético e material.
  • Tese
    Antologia do paladar: a gastronomia nas páginas da literatura brasileira durante a colônia e o império
    Lorençato, Arnaldo Marcilio Monteiro (2023-03-27)

    Centro de Comunicação e Letras (CCL)

    A presente tese tem como princípio de que a alimentação não é apenas um ato fisiológico, mas se define também como elemento da cultura. Partindo desse ponto de vista, desenvolveu-se uma investigação para estabelecer as relações entre a literatura brasileira e a gastronomia tendo por premissa o ‘comer’ ato cultural no qual também estão representados hábitos, atitudes e valores. Para chegar a esse objetivo, montou -se uma antologia de autores nacionais que introduziram a gastronomia em sua produção. Nela, apresentam-se escritores de dois períodos da história brasileira, Colônia e Império. Na primeira dessas fases, analisou-se obras dos poetas Gregório de Matos, Manuel Botelho de Oliveira, frei Manuel de Santa Maria Itaparica, frei José de Santa Rita Durão, além de duas exceções quanto à nacionalidade: o escrivão português Pero Vaz de Caminha e do também poeta luso Tomás Antônio Gonzaga. Encerrou-se a antologia no Império e com trechos de romances de José de Alencar, Machado de Assis e Aluísio Azevedo, nos quais a presença de alimentos e de cenas relacionadas a refeições como parte estrutural da obra, assinalando, por exemplo, diferenças sociais. Ao mesmo tempo, a comida enquanto elemento essencial à ação permite ao leitor reconhecer-se nos hábitos alimentares dos personagens.