Avaliação tardia pós oclusão de forame oval patente com dispositivo oclusor em centro de referência de doenças cardiovasculares

Imagem de Miniatura
Tipo
TCC
Data
2022
Autores
Schapinski, Felipe Nicoloso
Lima, Manoel de Almeida
Orientador
Kubrusly, Luiz Fernando
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Programa
Resumo
Introdução: O FOP é um defeito embriológico do septo interatrial que permite a passagem de sangue oxigenado do átrio direito para o átrio esquerdo. Essa malformação está presente em cerca de 25% da população adulta e sua permanência predispõe a condições clínicas como AVE criptogênico e migrânea. No entanto, ao se revisar os principais guidelines, observa-se que o fechamento percutâneo do FOP é indicado apenas como um procedimento de prevenção de recidivas após as sintomatologias já manifestadas, mesmo sendo uma técnica segura, pouco invasiva e com melhores resultados na profilaxia se comparado à terapia medicamentosa. Além de seu efeito benéfico na profilaxia desses eventos, o fechamento percutâneo tem se apresentado como possível tratamento para transtornos de enxaqueca com FOP como agente causal. Diante disso, levanta-se o questionamento sobre esse procedimento como alternativa à terapia farmacológica na profilaxia primária e como tratamento definitivo para essas crises de migrânea. Objetivo: Avaliar o desfecho no pós-operatório tardio da oclusão do FOP. Secundariamente, avaliar a evolução clínica de migrâneas após oclusão do FOP com dispositivo oclusor. Métodos: Estudo transversal prospectivo a partir da análise de prontuários médicos e da aplicação de um questionário nos pacientes que realizaram o fechamento percutâneo venoso do FOP no Incor Curitiba entre março de 2017 e outubro de 2019. Através da análise destes prontuários foram levantados os dados: idade, comorbidades, medicamentos de uso contínuo, tamanho do FOP, sintomatologia prévia, ETE com estratificação de microbolhas, complicações de pós-operatório e, com aplicação do questionário, evolução das crises de migrânea. Resultados: Foram coletados 16 prontuários cirúrgicos. Através da análise destes prontuários foram levantados dados relevantes para a indicação do fechamento do FOP. A faixa etária predominante foi de 50-59 anos (37,50%), com sexo feminino predominante (75%). A maioria dos pacientes apresentavam pelo menos uma comorbidade (75%), sendo a hipercolesterolemia a mais prevalente (50%). Dos sintomas prévios, AIT foi observado em 50% dos pacientes, enquanto migrânea e AVE criptogênico estava presente, cada uma, em 37,25% dos pacientes. Apenas 12,5% dos pacientes não faziam uso de medicamentos antes da cirurgia, e desses, 100% evoluíram com AVE criptogênico, enquanto dos 87,5% que faziam profilaxia medicamentosa, 35,71% evoluíram com AVE criptogênico. Além disso, aneurisma do septo interatrial estava presente em 31,25% dos pacientes. A média de tamanho dos FOPs era 7,74mm. Dos 6 pacientes que tinham migrânea como sintomatologia, todos tiveram remissão total. Nenhum dos pacientes tiveram alguma repercussão em médio a longo prazo após a cirurgia. Conclusão: Entende-se, portanto, que o fechamento percutâneo é uma técnica segura para ser indicada como profilaxia primária, evitando eventos tromboembólicos e suas complicações. Ademais, a oclusão percutânea aparece, também, como alternativa promissora no tratamento das crises de migrânea que tem o FOP como agente causal.
Descrição
Palavras-chave
forame oval patente , comunicação interatrial , transtornos de enxaqueca , acidente váscular encefálico
Citação