Melanocítico ou não ? : microscopia confocal reflectante e dermatoscopia em lesões de difícil diagnóstico : um estudo morfológico retrospectivo

Imagem de Miniatura
Tipo
Dissertação
Data
2020
Autores
Pinto, Camila Araújo Scharf
Orientador
Ribas, Carmen Australia Paredes Marcondes
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Malafaia, Osvaldo
Campos, Eurico Cleto Ribeiro de
Faucz, Luciana Rodrigues Lisboa
Programa
Princípios da Cirurgia
Resumo
Introdução: A dermatologia conta com diferentes técnicas para exame não invasivo da pele e diagnósticos precoces de neoplasia, estando a dermatoscopia e a Microscopia Confocal Reflectante (RCM) entre as principais na atualidade. Na maior parte das vezes, se faz uso da dermatoscopia como exame auxiliar, devido ao seu baixo custo e maior disponibilidade, fato que possibilitou o aumento da acurácia diagnóstica do melanoma, em até 90%. A RCM por sua vez, trata-se de um laser de diodo de alta resolução, não invasivo e seguro que permite uma visualização a nível celular da epiderme, junção dérmico-epidérmica e derme papilar, aumentando o arsenal diagnóstico, principalmente para as lesões nas quais, apesar do exame dermatoscópico, ainda persiste a dúvida diagnóstica. Objetivos: Calcular a acurácia diagnóstica da Microscopia Confocal Reflectante no diagnóstico diferencial entre lesões melanocíticas e não melanocíticas. Métodos: Foi elaborado um estudo observacional retrospectivo e descritivo de todos os exames de RCM realizados no serviço de Dermatologia da Università degli Studi della Campania, em Nápoles, Itália, no período de 2012 a 2020. Foram analisados dados retrospectivos de 3572 casos consecutivos, em relação ao diagnóstico clínico-dermatoscópico, RCM e histopatologia. Os dados foram tabulados e comparados em busca de discordâncias diagnósticas entre as diferentes técnicas, na diferenciação entre lesões melanocíticas e não melanocíticas. Foram estimados os valores de sensibilidade, especificidade e acurácia considerando-se o resultado da análise histológica como padrão ouro. Resultados: Dos 3215 casos incluídos no estudo, foram encontrados 53 com discrepâncias entre diagnóstico clínico, histológico e de RCM, sendo 31 com discordâncias entre melanocíticas e não melanocíticas. A RCM obteve uma especificidade de 87% (IC95%: 0,73-1) e uma sensibilidade de 62,5% (IC95%: 0,29-0,96) na presente amostra. A acurácia por sua vez foi de 80,6% (IC95%: 0,67-0,94). Conclusão: A RCM mostrou-se um método com alta acurácia na diferenciação entre lesões melanocíticas e não melanocíticas na presente amostra.
Descrição
Palavras-chave
dematoscopia , câncer de pele , microscopia confocal
Citação