Análise dos escores prognósticos BAR, PSOFT, SOFT e DRI em pacientes transplantados em um hospital terciário de Curitiba-PR

Carregando...
Imagem de Miniatura
Tipo
TCC
Data
2019
Autores
Rufato, Fernando Torterolli
Watanabe, Rafael Katsunori
Orientador
Tabushi, Fernando
Peixoto, Igor Luna
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Programa
Resumo
RESUMO Introdução: O transplante hepático é o tratamento de escolha para pacientes com cirrose descompensada, carcinoma hepatocelular (dentro dos Critérios de Milão) e hepatite fulminante. A cirrose por álcool e a cirrose pelo vírus da hepatite C são as etiologias que mais submetem os pacientes ao transplante hepático. Os escores BAR, PSOFT, SOFT e DRI são utilizados para o prognóstico de sobrevida dos pacientes pós-transplante hepático. Objetivo: Determinar a epidemiologia dos pacientes transplantados e avaliar a associação de variáveis demográficas e clínicas em relação à sobrevida. Definir o melhor ponto corte dos escores prognósticos BAR, SOFT e DRI, qual o de maior acurácia e avaliar a correlação dos escores prognósticos entre si e em relação ao MELD. Metodologia: Efetuou-se um estudo retrospectivo transversal de 177 pacientes do período de 16 de junho de 2016 a 09 de agosto de 2018 de um hospital terciário do município de Curitiba, Paraná. Foram analisados dados sobre o receptor, doador e transplante, preenchidos os relatórios de transplante de fígado e calculados os escores prognósticos BAR, PSOFT, SOFT e DRI para cada transplantado. Resultados: A cirrose alcoólica (41,2%) e a cirrose pelo VHC (11,9%) foram as principais etiologias pré-transplante. A média de idade dos pacientes foi de 56 ± 11,1 anos, sendo 72,3% do sexo masculino. O melhor ponto corte para BAR foi 9 (AUROC = 0,69) e para SOFT foi 12 (AUROC = 0,73). O escore DRI não discriminou a sobrevida (p=0,139). A maior correlação se deu entre BAR e SOFT (r = 0,72). O MELD está mais correlacionado com o BAR (r = 0,74). A sobrevida ao final de 3 e 12 meses foi de 74% e 69,3%, respectivamente. As variáveis sexo feminino (p=0,013), MELD > 35 (p<0,001) e o transplante prévio (p=0,003), diminuíram significativamente a sobrevida após o transplante, ao passo que idade, IMC, trombose de veia porta no transplante e o tempo de isquemia fria, não se mostraram relevantes para a sobrevida. Conclusão: As principais etiologias para o transplante hepático foram a cirrose alcoólica e a cirrose pelo VHC, com predomínio do sexo masculino. Receptores com o sexo feminino, o MELD > 35 e o transplante prévio estão associados com uma pior sobrevida. O escore SOFT com ponto de corte 12 teve maior acurácia em predizer a sobrevida em 3 meses após o transplante, dentre os três escores estudados.
Descrição
Palavras-chave
Escores de disfunção orgânica , Transplante de fígado , Cirrose hepática , Análise de sobrevida
Citação