Ressignificando princesas: representações da mulher em uma releitura feminista de contos de fadas crônicas lunares, de Marissa Meyer

Imagem de Miniatura
Tipo
Dissertação
Data
2022-02-03
Autores
Simão, Izabela Fernandes
Orientador
Aguiar, Cristhiano Motta
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Trevisan, Ana Lúcia
Barossi, Luana
Programa
Letras
Resumo
A palavra “princesa” no século XXI carrega diferentes significados. Em especial, ela pode nos remeter às adaptações dos contos de fadas realizadas pela empresa norte-americana Walt Disney Animation Studios. Até 80 anos atrás, os estereótipos de mulheres representados nessas animações reforçaram uma herança do patriarcado entranhada na mentalidade da sociedade ocidental: do sexo frágil, da donzela em perigo. Hoje, tais representações seguem um caminho de celebração da força feminina, contribuindo com as reivindicações feministas a respeito do papel da mulher na sociedade. Com o intuito de examinar em que medida as narrativas do corpus podem somar ou não às vozes de resistência, esta dissertação objetiva verificar como ocorre a atualização dos papéis atribuídos às personagens femininas ao longo dos séculos. E analisar de que maneira as conquistas feministas impactam tais enredos. Para tanto, o corpus literário escolhido são os contos de fadas “Cinderela” e “Branca de Neve” e as releituras propostas pela autora americana Marissa Meyer na série de ficção científica Crônicas Lunares, nos livros Cinder (2013) e Winter (2016). Com a revisão bibliográfica, pretende-se, além de confrontar as personagens principais dos textos originais com as protagonistas das releituras, analisar de que maneira o trabalho de Meyer transforma temas e figuras dos contos tendo em vista uma nova proposta para as princesas. É esperada, com essas análises, uma discussão de gêneros e papéis sociais, essencial em todos os níveis intelectuais, mas principalmente no do entretenimento.
Descrição
Palavras-chave
contos de fadas , releitura , princesas , ficção científica , feminismo
Citação