Show simple item record

dc.contributor.advisorPascolat, Gilberto
dc.contributor.authorSmaniotto, Victoria
dc.date.accessioned2021-03-24T20:54:16Z
dc.date.available2021-03-24T20:54:16Z
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/27993
dc.description.abstractRESUMO Introdução: A Diabetes Melllitus 1 é uma doença crônica, multifatorial, autoimune que tem por prevalência afetar crianças, adolescentes e em casos mais raro os jovens. As tensões emocionais e físicas acompanham o paciente e a família desde o momento em que foi feito o diagnóstico. Inicialmente ao se descobrir a DM1 uma série de restrições, novos hábitos passam a ser exigidos dos pacientes. E em especial ao se lidar com crianças é importante ressaltar alguns pontos: o alto risco de complicações agudas, as tensões entre pais e filhos durante o manejo, os desafios do autocuidado e das novas exigências e as alterações fisiológicas das crianças na metabolização da insulina. Diante de tudo isso as crianças acabam desenvolvendo muitas vezes sentimentos indesejados – incapacidade de gerenciamento da doença, se sentirem diferentes das outras crianças, ser mais resistente a novos hábitos. Neste cenário é importante que a comunicação médico paciente seja efetiva, que consiga lidar com todas estas adversidades. O desenho neste cenário tem se colocado como um grande aliado para que se compreenda o que está acontecendo, para assim poder ajudar de maneira mais eficaz o paciente. Objetivo: é verificar a qualidade de vida do paciente pediátrico diabético através de uma análise de desenho. Método: A análise é qualitativa, foi realizado no Ambulatório “Estudo Projeto DOCE” do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie. Os critérios de inclusão foram pacientes com idade maior de 6 anos de idade e menor que 14 anos capazes de desenhar. Ter um tempo mínimo de 6 meses de diagnóstico. Para os responsáveis foi aplicado um questionário (PedsQL) de qualidade de vida pediátrica. Resultados: Os desenhos em geral giraram em torna da privação alimentar e dos procedimentos cotidianos, demostrando o real entendimento que a criança tem da doença desde os dilemas iniciais até os enfrentamentos diários cotidianos. Conclusão: através da interpretação dos desenhos junto com os questionários aos pais, foi possível avaliar o impacto emocional da DM1 na vida das crianças, que se mostraram mais felizes e livres ao imaginarem a ausência da doença.pt_BR
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziept_BR
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectDiabetes Mellituspt_BR
dc.subjectPediatriapt_BR
dc.subjectTestes neuropsicológicospt_BR
dc.titleO impacto do Diabetes Mellitus 1 nos pacientes pediátricos : uma análise através de desenhospt_BR
dc.typeMonografiapt_BR
dc.date.qualified2020


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil