Modulação de julgamentos morais e da satisfação com a vida após treinamento de meditação na compaixão

Imagem de Miniatura
Tipo
Dissertação
Data
2019-02-21
Autores
Cardille, Maurício
Orientador
Boggio, Paulo Sérgio
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Macedo, Elizeu Coutinho de
Tobo, Patrícia Renovato
Programa
Distúrbios do Desenvolvimento
Resumo
Moral judgments and compassion are objects of constant research, at various times, in the most diverse and wide areas of knowledge. Based on the existence of different moral matrices, which diverge in the emphasis of some moral foundations (justice, care, fidelity, respect, purity and liberty), there are many conflicts between people and groups because of these distinctions. Some factors capable of interfering in moral judgments vary from physiological, cognitive, social elements to emotional states. Compassion is one of the emotions with the greatest potential promoter of cooperation in prosocial attitudes. It occurs in situations where suffering, physical or emotional, concentrates attention and leads to an assessment of the possibilities of mitigating or eliminating pain; expressing a response in order to minimize or extinguish such suffering. Several recent researches has shown that the capacity for compassion can be developed through meditative practices. Such practices have the potential to generate benefits in wellbeing, health and even neuronal plasticity. In addition, compassion has intrinsically presents a property of judgment about the responsibility of the vulnerable individual over their own suffering and their practice has demonstrated activation of brain regions correlated with those activated in the tasks of moral judgment. Therefore, we evaluated the effects of cognitive-based compassion training (CBCT) for eight weeks on compassion, modulation of moral judgments, and satisfaction with life. This study included healthy adults (n = 62), aged between 18 and 35 years. The experimental group presented a significant difference with increased indices of compassion, satisfaction with life and the moral foundation of loyalty. There was also a significant difference demonstrating greater tolerance for dictatorial or abusive behavior on freedom of opinion or decision making. These results are similar those of other studies that evaluate the effect of these trainings on well-being and compassionate capacity and inspire further research on their impact on moral judgments.
Os julgamentos morais e a compaixão são objetos de constantes pesquisas, em várias épocas, nas mais diversas e amplas áreas do conhecimento. Baseado na existência de diferentes matrizes morais, que divergem na ênfase de alguns fundamentos morais (justiça, cuidado, fidelidade, respeito, pureza e liberdade), ocorrem muitos conflitos entre pessoas e grupos por causa dessas distinções. Alguns fatores capazes de interferir nos julgamentos morais variam desde elementos fisiológicos, cognitivos, sociais até estados emocionais. A compaixão é uma das emoções com maior potencial promotor de cooperação em atitudes pró-sociais. Ela ocorre em situações em que o sofrimento, físico ou emocional, concentra a atenção e leva a avaliação das possibilidades de atenuar ou eliminar a dor; expressando uma resposta no sentido de minimizar ou extinguir tal sofrimento. Várias pesquisas recentes demonstraram que a capacidade de compaixão pode ser desenvolvida por meio de treinamentos compostos por práticas meditativas. Tais práticas têm o potencial de gerar benefícios no bem-estar, saúde e até na plasticidade neuronal. Além disso, a compaixão apresenta intrinsecamente uma propriedade de julgamento sobre a responsabilidade do indivíduo vulnerável sobre o seu próprio sofrimento e sua prática demonstrou ativação de regiões cerebrais correlatas com as ativadas nas tarefas de julgamento moral. Por isso, avaliamos nesta pesquisa os efeitos de treinamento de compaixão com base cognitiva (CBCT), durante oito semanas, quanto a compaixão, a modulação dos julgamentos morais e a satisfação com a vida. Participaram desta pesquisa adultos saudáveis (n=62) com idades entre 18 e 35 anos. O grupo experimental apresentou diferença significativa com aumento dos índices de compaixão, de satisfação com a vida e no fundamento moral da lealdade. Também houve diferença significativa demonstrando maior tolerância com comportamentos ditatoriais ou abusivos sobre a liberdade de opiniões ou tomadas de decisões. Esses resultados são semelhantes a outros estudos que avaliam o efeito desses treinamentos sobre o bem-estar e a capacidade compassiva e inspiram outras pesquisas sobre seus impactos sobre os julgamentos morais.
Descrição
Palavras-chave
fundamentos morais , compaixão , meditação , bem-estar
Citação
CARDILLE, Maurício. Modulação de julgamentos morais e da satisfação com a vida após treinamento de meditação na compaixão. 2019. 111 f. Dissertação (Distúrbios do Desenvolvimento) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2019.