Correlação epidemiológica e clínica em pacientes diagnosticadas com câncer de mama em hospital universitário

Carregando...
Imagem de Miniatura
Tipo
TCC
Data
2019
Autores
Seidel, Catherine Enk Fischer
Ferraz, Melissa Carolina Ozório
Orientador
Sobral, Ana Cristina Lira
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Programa
Resumo
RESUMO Introdução: O câncer de mama é um problema de saúde pública, representando, em 2018, 29,5% de todas as neoplasias no Brasil. O principal fator de risco é ser mulher, mas se destacam também o envelhecimento, história familiar, consumo de álcool, excesso de peso e exposição ao estrogênio. O rastreamento consiste na tentativa de pesquisa da doença em população assintomática na fase pré-clínica. O Ministério da Saúde recomenda a mamografia bienal nas mulheres de idade entre 50 e 69 anos. Há divergência na literatura a respeito dessa política. O entendimento dos fatores epidemiológicos, biologia do tumor e sua disseminação associados a aspectos moleculares, radiológicos e clínicos são essenciais para permitir políticas de rastreio e diagnóstico precoce. Objetivos: Verificar os aspectos epidemiológicos das pacientes diagnosticadas com câncer de mama e avaliar fatores referentes ao tumor que têm impacto no prognóstico. A partir disso, avaliar a eficácia da atual política de rastreamento adotada pelo SUS. Metodologia: Nesse estudo, 194 prontuários de pacientes diagnosticadas com câncer de mama período de 2013 a 2018 no serviço de Ginecologia do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie (HUEM) foram analisados, sendo 76 descartados por não se adequarem aos critérios. Dentre as variáveis analisadas estão: idade ao diagnóstico, tamanho do tumor, tipo e grau histológico, BIRADS, clínica e cirurgia realizada inicialmente. Resultados: A média de idade das pacientes ao diagnóstico foi de 52,31 anos, variando de 23 a 82. As faixas etárias mais prevalentes foram as de 50 a 59 anos, seguida de 40 a 49 anos. 81% das pacientes procuraram serviço médico com queixa de nódulo palpável e apenas 9% eram assintomáticas ao diagnóstico. 56,78% dos tumores eram de grau histológico tipo 2, enquanto 35,59% foram classificados como grau 3. 73,73% apresentava tamanho tumoral de dimensão igual ou superior a 2 centímetros. Dentre as cirurgias realizadas inicialmente, a mastectomia foi a mais frequente (51,69%). 58% das pacientes apresentaram linfonodo positivo para malignidade. Conclusões: 53,39% das pacientes não estão dentro da faixa etária abrangida pela atual política. Além disso, 91% das pacientes relatavam clínica ao diagnóstico, o que indica falha no principal objetivo do rastreamento. Dentre as pacientes fora da faixa etária de rastreamento, 94% apresentava tumores de grau 2 ou 3. Nesse mesmo grupo, 54% das pacientes manifestaram tumor de tamanho igual ou superior a 2 centímetros.
Descrição
Palavras-chave
Câncer de mama , Epidemiologia
Citação