Avaliação da presença do vírus Epstein-Barr em lesões polipóides de nasofaringe por imuno-histoquímica

Imagem de Miniatura
Tipo
TCC
Data
2020
Autores
Tauil, Camila Rahal
Guedes, Maria Carolina Carvalho
Orientador
Collaço, Luiz Martins
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Programa
Resumo
RESUMO Introdução: Pólipos nasais afetam 0,2 a 4,3% da população trazendo consequências para a qualidade de vida, como obstrução nasal, rinorreia e anosmia. Acomete mais homens e maior prevalência com o aumento da idade. Polipose nasossinusal ocorre devido à inflamação crônica da mucosa respiratória do nariz e seios paranasais, geralmente encontrados nos meatos médios bilaterais. Pólipos antrocoanais ficam no antro maxilar podendo se estenderem para as coanas nasais, com uma parte cística e outra polipoide. Podem apresentar epitélio superficial do tipo respiratório com áreas de aspecto de transição e epitélio escamoso, células caliciformes e glândulas mucosas no eixo conjuntivo. Objetivos: Avaliar aspectos epidemiológicos dos pólipos nasais e a expressão imuno-histoquímica do marcador LMP-1 nas lesões polipoides de nasofaringe. Método: Pesquisa transversal e retrospectiva de 52 casos de pólipos nasais confirmados pela histopatologia, com blocos e lâminas do serviço de Anatomia Patológica do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie datados de janeiro de 2015 a dezembro de 2018. A partir dos blocos de parafina originais foram confeccionados blocos teciduais multiamostrais (TMA) e marcados com LMP-1, imunomarcador para avaliar EBV, com posterior leitura das lâminas. Resultados: 52 amostras de 51 pacientes, 18 mulheres (35,3%) e 33 homens (64,7%), com média de idade de 45,17 anos. 51 de pólipos nasossinusais e 1 de pólipo antrocoanal (1,96%), este em paciente de 11 anos do sexo masculino. Do grupo de pólipo nasossinusal, 18 eram mulheres (36%) e 32 homens (64%) com média de idade de 45,86 anos. A topografia em 66,67% dos casos foi de lesão em cavidade nasal não especificando a localização. 11,77% dos casos foram positivos para o marcador LMP-1. Conclusão: No presente estudo predominaram os pólipos nasossinusais sendo maior o acometimento em homens com média de idade de 45,17 anos. A positividade para EBV por imuno-histoquímica foi de 11,77% e predominaram em células estromais.
Descrição
Palavras-chave
Pólipos nasais , Infecções por vírus Epstein-Barr , Imuno-histoquímica
Citação