Show simple item record

dc.contributor.advisorCruz, Aristides Schier da
dc.contributor.authorChaves, Ligia del Monaco
dc.contributor.authorBastos, Luana Lima de
dc.date.accessioned2021-03-25T17:09:39Z
dc.date.available2021-03-25T17:09:39Z
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/28019
dc.description.abstractRESUMO Introdução: a proctocolite alérgica (PCA) é um processo inflamatório benigno, de etiologia normalmente associada à alergia alimentar, porém não exclusiva a essa causa. Dentre os possíveis fatores de risco, está o probiótico Lactobacillus reuteri (Prob Lr), tendo em vista sua hiperprescrição pela classe pediátrica. Objetivo: avaliar a possibilidade de o Prob Lr, indicado para o tratamento de cólica infantil, ser um fator de risco para a ocorrência de PCA em lactentes, bem como verificar outros possíveis fatores de risco. Método: estudo caso-controle, com avaliação dos prontuários de lactentes com PCA iniciada antes dos 6 meses de vida e comparação com o grupo controle, composto por pacientes entre 6 e 24 meses, cujos responsáveis foram entrevistados para esclarecer a exposição aos fatores de risco alvos da pesquisa. Para a comparação dos resultados das variáveis quantitativas foram utilizados o teste t de Student para amostras independentes, ou o teste de Mann-Whitney quando necessário. Para a comparação entre as variáveis categóricas foram utilizados o teste do qui-quadrado, ou, se necessário, o teste exato de Fisher. Para os fatores de risco nos dois grupos foram calculados razão de chance (OR) e intervalo de confiança de 95%. Resultados: nos 168 pacientes com PCA, a mediana de idade de início da colite foi 45 dias. A mediana da duração da colite foi 15 dias. Houve recidiva da colite em 48 pacientes, com duração de apenas 1 ou 2 dias em geral. Em 45 casos, a ocorrência da colite esteve associada à realização das vacinas dos 2 ou 4 meses. O uso de probiótico ocorreu em 55% dos pacientes do grupo PCA, por um tempo mediano de 54 dias, enquanto no grupo controle 58% receberam probiótico. Se a indicação do probiótico é a redução da cólica infantil, apenas 19% dos lactentes tiveram indicação correta. Mostraram-se fatores de risco para ocorrência de PCA em lactentes a exposição prévia da proteína de leite de vaca, prematuridade, baixo peso de nascimento, ter ficado em UTI Neonatal e ter recebido antibiótico. Conclusões: o uso de probiótico em lactentes não se mostrou um fator de risco para a ocorrência de PCA. Internamento em UTI Neonatal, prematuridade, peso inferior a 2000 g, uso de antibióticos antes dos 4 meses e início de fórmulas infantis antes dos 3 meses de vida são variáveis que aumentam o risco de ocorrer PCA. A tendência à hiperprescrição de probiótico é alarmante, já que foi observada indicação indevida em um grande número de lactentes.pt_BR
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziept_BR
dc.rightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/*
dc.subjectProbióticospt_BR
dc.subjectProctocolitept_BR
dc.subjectLactentept_BR
dc.titleUso de probiótico como fator de risco para ocorrência de proctocolite alérgica no lactentept_BR
dc.typeTCCpt_BR
dc.date.qualified2020


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil
Except where otherwise noted, this item's license is described as Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil