O ser e o outro: agenciamentos programáticos em territórios que provoquem arquiteturas do acontecimento

Imagem de Miniatura
Tipo
Dissertação
Data
2013-07-31
Autores
Silva, Simone Sousa
Orientador
Abascal, Eunice Helena Sguizzardi
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Guatelli, Igor
Peixoto, Nelson Brissac
Programa
Arquitetura e Urbanismo
Resumo
Nesta pesquisa, busca-se estudar as mudanças sofridas nas últimas décadas pela cidade, pelos espaços públicos, em permanente publicação, ao colocar-se aberto à alteridade e pela arquitetura em consequência de fatores como a globalização, a terceira revolução urbana, o desenvolvimento tecnológico; provocando a investigação por outras experiências projetuais em um espaço urbano que conta com a justaposição de dissociados territórios e tensões entre situações. A caracterização da mobilidade urbana e as interações entre o usuário do metrô da cidade de São Paulo com as obras de arte instaladas e os espaços das estações, o projeto arte cidade e seus processos de mediação que partem da premissa da importância da promoção de micropolíticas urbanas que se formam se desfazem pelo movimento de contágio e com a própria arquitetura a partir de um colocar-se para, um suporte de incremento infraestrutural, ser que se constrói e se fortalece com articulações, com um além de si próprio a ser fortalecido pelo público, ou seja, a cidade e seus habitantes, observando sua dimensão urbana. Este trabalho tem por objetivo dissertar sobre categorias de produção do espaço urbano contemporâneo e seus resultados pragmáticos, centrando-se em evento, disjunção e ressignificação. Como método optou-se pela seleção de algumas Estações do metroviário de São Paulo, entre eles, as estações Sé, Tamanduateí e Sumaré, cujos espaços adquirem outras significações a partir da multiplicidade da experiência espacial, o que se evidencia pela articulação com outros suportes, tais como o Projeto Arte no Metrô. Procura-se entender essas espacialidades como chave para uma compreensão das relações entre dimensões arquitetônica e urbana, e as questões que se refletem por sua característica de articuladores urbanos. Numa análise transdisciplinar sob a luz de experiências do enfrentamento urbano, desenvolvidos por alguns autores, filósofos, urbanistas e sociólogos, considerando seus conflitos, possibilidades, agenciamentos, conceito desenvolvido por Gilles Deleuze e Félix Guatari (1997) o que corresponde a uma geografia das relações, dá consistência e une elementos heterogêneos e suas relações, trabalhando em simbiose, mas sempre pressupondo territórios. A cidade sempre esteve ligada às formas de manifestação pública, de modo que o desaparecimento do ambiente público faz desaparecer também a vida urbana. Para Flusser (1983), São Paulo não é uma verdadeira cidade, pois falta-lhe, ao lado do espaço privado (oikos) e do político (agora), a dimensão cultural, pois na síntese dessas três determinações consiste a vida urbana. A arte urbana constitui uma forma de comunicação pública, catalisadora de participação ativa e confronto discursivo, uma importante realização na produção deste ambiente; a arquitetura deve colocar-se como prática crítica, como força produtiva de interação e favorecer o desenvolvimento de novas formas de espaço público e vivências.
Descrição
Palavras-chave
infraestrutura , urbanismo , agenciamentos programáticos , infrastructure , urbanism , programmatic joints
Citação
SILVA, Simone Sousa. O ser e o outro: agenciamentos programáticos em territórios que provoquem arquiteturas do acontecimento. 2013. 114 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013.