O poder da linguagem nas sociedades gracilianas

Imagem de Miniatura
Tipo
Dissertação
Data
2008-02-11
Autores
Santos, Vania Rodrigues dos
Orientador
Lajolo, Marisa Philbert
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Pereira, Helena Bonito Couto
Brait, Elisabeth
Programa
Letras
Resumo
Graciliano Ramos, em suas obras literárias, sempre realizou uma pesquisa da alma humana , nos dizeres de Antonio Cândido. Tal pesquisa é realizada através das perspectivas psicológicas e sociais com o suporte da linguagem literária. Contudo, a linguagem usada pelo escritor alagoano se diferencia: ele legitima a linguagem nordestina, mostrando ao leitor o que o povo deste lugar poderia dizer, pensar e refletir em diversas situações. Dentre a produção literária de Graciliano Ramos, procuramos abordar temas análogos nos quatro primeiros livros editados: em Caetés (1933), São Bernardo (1934), Angústia (1936) e Vidas Secas (1938), podemos encontrar o parentesco estilístico entre o autor e suas personagens; a autocrítica severa da persona literária de Graciliano; a análise do homem em seu meio; os conflitos ideológicos; e, o poder da linguagem nas sociedades gracilianas. O último tema, porém, é analisado com ênfase nas duas últimas obras por haver, em nossa leitura, uma maior abordagem e focalização do autor em relação ao arranjo da linguagem e o meio social em que o homem se insere. Assim, procuraremos auxiliar na investigação dos estudos sobre as obras gracilianas, ampliando o conhecimento da literatura nordestina no Brasil.
Descrição
Palavras-chave
literatura brasileira , literatura regional , Graciliano Ramos , linguagem , brazilian literature , northern literature , Gracilianos Ramos , language
Citação
SANTOS, Vania Rodrigues dos. O poder da linguagem nas sociedades gracilianas. 2008. 98 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.