Desenvolvimento Orientado pelo Transporte (DOT) aplicado no novo Marco Regulatório Urbanístico de São Paulo: ensaio de oportunidades no ”HUB” Bom Retiro

Imagem de Miniatura
Tipo
Dissertação
Data
2017-02-16
Autores
Fonseca, Hermes da
Orientador
Souza, Carlos Leite de
Título da Revista
ISSN da Revista
Título de Volume
Membros da banca
Vincent, Charles de Castro
Macedo, Adilson Costa
Programa
Arquitetura e Urbanismo
Resumo
O crescimento desordenado de algumas cidades como São Paulo, reproduz uma cultura de espraiamento de seu território que cresceu, e cresce, de maneira setorizada e com baixas densidades, favorecendo a exclusão social e o impacto ambiental. A corrente execução de um planejamento baseado estritamente na regulação urbanística, focada no controle de uso e ocupação do solo, parece não ter conseguido mitigar estes efeitos, principalmente por impactarem diretamente na constituição de preços fundiários e imobiliários e deixando nas mãos do mercado o poder de configuração de desenvolvimento da cidade. Dessa forma, como alternativa de intervenção, o Desenvolvimento Orientado pelo Transporte (DOT), surge como um modelo de planejamento e desenho urbano voltado ao transporte público, que busca propiciar uma reorientação das políticas e estratégias de planejamento e desenho urbano, através do desenvolvimento de bairros compactos de alta densidade, com diversidade de usos, serviços e espaços públicos seguros e ativos, que favoreçam a interação social da população. Tendo como pano de fundo a cidade de São Paulo, a pesquisa se desenvolve a partir do contexto do Plano Diretor Estratégico de 2014, através do recorte propositivo da futura estação da Linha 7 (Rubi) da CPTM denominada como Bom Retiro. A partir deste ensaio, temas como os de cidades sustentáveis e inteligentes; densidades; mobilidade e compacidade urbana; além de diversidade de usos serão abordados, principalmente através dos Eixos de Estruturação de Transformação Urbana, denominados dessa forma por sua característica orientação através dos sistemas de transportes coletivos e por serem fortes indutores de regeneração urbana qualitativa, não só pela força de suas funções, mas pelo grande potencial de reformulação de seu entorno imediato que reverbera por todo o território urbano. A presente pesquisa se desenvolve a partir da abordagem dos temas relacionados por meio da revisão bibliográfica de autores como Acioly e Davidson (1998); Calthorpe (1993); Chakrabarti (2014); Glaeser (2011); Meyer (2015), Leite (2012; 2014; e 2015); Nelson e Niles (2006); Nobre (2004); Rogers e Gumuchdjian (1997); para citar alguns; da análise de planos urbanísticos (PDE 2014) e de mobilidade (Plano Integrado de Transportes Urbanos de 2020 e 2025 e Plano de Mobilidade de 2015); e finalmente através de uma etapa propositiva de leitura e aplicação do DOT no território urbano, utilizando como ferramentas diretivas as regras do novo Plano Diretor e da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo. A intenção dessa pesquisa é fornecer parâmetros de aplicação de instrumentos e estratégias de projetos urbanos, e que esses atuem como peças de viabilização para cidades com maior urbanidade.
Descrição
Palavras-chave
Desenvolvimento Orientado pelo Transporte (DOT) , densidades urbanas , mobilidade urbana , projeto urbano – São Paulo (SP)
Citação
FONSECA, Hermes da. Desenvolvimento Orientado pelo Transporte (DOT) aplicado no novo Marco Regulatório Urbanístico de São Paulo: ensaio de oportunidades no ”HUB” Bom Retiro. 2017. 175 f. Dissertação( Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.