Show simple item record

dc.creatorSouza, Daniel Paulo dept_BR
dc.date.accessioned2016-03-15T19:47:34Z
dc.date.accessioned2020-05-28T18:12:05Z
dc.date.available2014-09-25pt_BR
dc.date.available2020-05-28T18:12:05Z
dc.date.issued2014-06-06pt_BR
dc.identifier.citationSOUZA, Daniel Paulo de. O sujeito lírico em colapso: Cecília Meireles e o fim da subjetividade na poesia. 2014. 238 f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2014.por
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/25115
dc.description.abstractThis thesis reflects on the nature of poetry, and also the work of Cecília Meireles, assuming that, from a phenomenological analysis that it is not possible to consider the ideas of subjectivity and lyrical subject when discussing about poetic compositions, since these notions do not represent, in fact, the poetic act, but only explain it as a rational attitude, not as a phenomenon that took place in the world. Going back to subjectivity does not mean understanding the peculiarity of this type of speech, but intends to immerse in the interiority of an "I" that does not reflect the existential movement of a new presentation of things which he performs at the moment when he is articulated in their own metaphorical significances of poetic language. Due to this, the phenomenology was chosen as a line of thought, because it suggests that there is no subject as an "absolute cogito" disconnected from the world without roots in it, but a consciousness that looks to this world with the purpose to realize it. This attitude tends to get over the relationship between "subject" and "external object" that is always taken when reading and analysis of poetic texts are the question. Merleau-Ponty, for example, investigates how the explanation of a "philosophy of subjectivity" is valid as a possible discovery that consciousness realizes itself, or simply it is a construction produced at the instant that reflection comes out and takes this consciousness as a acquisition of thought after pronouncing the "I think". Along the way, the work of Cecília Meireles is highlighted, which reveals the vivacious appearance of things, shows total admiration for the sensory spectacle offered by them and stands unique because of its look that always reveals the most unusual meanings of the world and, through a poetic speech, makes it accessible in all its visibility.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectpoesiapor
dc.subjectsubjetividadepor
dc.subjectCecília Meirelespor
dc.subjectfenomenologiapor
dc.subjectsujeito líricopor
dc.subjectlinguagem poéticapor
dc.subjectpoetryeng
dc.subjectsubjectivityeng
dc.subjectCecília Meireleseng
dc.subjectphenomenologyeng
dc.subjectlyrical subjecteng
dc.subjectpoetic languageeng
dc.titleO sujeito lírico em colapso: Cecília Meireles e o fim da subjetividade na poesiapor
dc.typeTesepor
dc.publisher.departmentLetraspor
dc.publisher.programLetraspor
dc.publisher.initialsUPMpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRASpor
dc.description.resumoEsta tese faz uma reflexão acerca da natureza da poesia e, também, da obra de Cecília Meireles, partindo do pressuposto de que, segundo uma análise fenomenológica, não é possível levar em conta as ideias de subjetividade e de sujeito lírico ao se falar das composições poéticas, já que essas noções não representam, de fato, o ato poético, mas apenas o explicitam como uma atitude racional, não como um fenômeno sucedido no mundo. Recorrer à subjetividade não significa compreender a peculiaridade desse tipo de discurso, mas supõe mergulhá-lo na interioridade de um eu que não reflete o movimento existencial de reapresentação das coisas que ele realiza no momento em que é articulado nas enunciações metafóricas próprias da linguagem poética. Por isso escolhemos a fenomenologia como linha de pensamento, porque ela indica que não existe um sujeito como um cogito soberano desligado do mundo, sem raízes nele, mas uma consciência voltada a esse mundo a fim de percebê-lo. Essa atitude tende a superar a relação entre sujeito e objeto exterior que sempre é feita quando se fala de leitura e de análise de textos poéticos. Merleau-Ponty, por exemplo, investiga até que ponto a explicitação de uma filosofia da subjetividade é válida como uma possível descoberta que a consciência realiza de si mesma, ou apenas se trata de uma construção a que se chegou no instante em que sobrevém a reflexão e toma essa consciência como um achado do pensamento depois de se pronunciar o eu penso . Nesse percurso, destaca-se a obra de Cecília Meireles, que revela a aparência vivaz das coisas, mostra total admiração pelo espetáculo sensorial oferecido por elas e se singulariza por causa de seu olhar que sempre revela os significados mais inusitados do mundo e, por meio de um dizer poético, gestualiza-o e o faz emergir em toda a sua visibilidade.por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/6464519592701838por
dc.contributor.advisor1Amaral, Glória Carneiro dopt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2120597822999751por
dc.contributor.referee1Bridi, Marlise Vazpt_BR
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4486189642933939por
dc.contributor.referee2Junqueira, Maria Aparecidapt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/2011734818180394por
dc.contributor.referee3Atik, Maria Luiza Guarnieript_BR
dc.contributor.referee3Latteshttp://lattes.cnpq.br/6573639208092932por
dc.contributor.referee4Gentil, Hélio Sallespt_BR
dc.contributor.referee4Latteshttp://lattes.cnpq.br/2687831968155375por
dc.thumbnail.urlhttp://tede.mackenzie.br/jspui/retrieve/4606/Daniel%20Paulo%20de%20Souza.pdf.jpg*
dc.bitstream.urlhttp://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2348/1/Daniel%20Paulo%20de%20Souza.pdf


Files in this item

FilesSizeFormatView

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record