Show simple item record

dc.contributor.advisorAndrade, Bruna Soares Angotti Batista de
dc.contributor.authorSilva, Bruno do Nascimento
dc.date.accessioned2019-09-12T18:48:41Z
dc.date.available2019-09-12T18:48:41Z
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/20095
dc.description.abstractConsiderando a escassez de políticas criminais efetivas e capazes de assegurar um tratamento digno durante a detenção, o presente artigo tem por escopo abordar de um ponto de vista jurídico os diferentes posicionamentos sobre a prisão da comunidade LGBT no Brasil, em especial os transgêneros. Por se tratar de assunto pouco discutido e que não carrega consigo grande repercussão diante da mídia, viuse a possibilidade de esclarecimento das questões trazidas com o intuito não apenas de que a temática seja normatizada e torne-se uma diretiva para o procedimento de cumprimento da pena, mas, também, a fim de que sejam observados os postulados estabelecidos em nossa Carta Maior e Convenções Internacionais de Direitos Humanos, evitando-se, assim, abusos e violações de direitos. Diante da realidade presenciada, observa-se que passos importantes já foram dados na busca por uma sociedade livre de todas as formas de discriminação, tornando-se possíveis através do implemento de resoluções e com observância aos princípios que regem os direitos humanos. Entretanto, não há como negar que ainda se está longe do que se pensa como ideal, ou seja, conferir a todos os cidadãos, em especial os transgêneros, o pleno gozo de seus direitos mais intrínsecos. Erigido sobre uma lógica binária de separação por gênero, em que se enaltece a masculinidade, o sistema carcerário  Graduando em Direito na Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Endereço eletrônico: bruno_n_silva@hotmail.com. 8 tenta suprimir as identidades daqueles que estão alheios à padronização imposta, submetendo-os as mais diversas formas de violências e violações de direitos. Abandonados pelo Estado e pela sociedade, esses indivíduos buscam em meio às suas próprias fragilidades a força necessária para reafirmar o direito de ser quem são. Desse modo, é possível concluir que o direito assegurado às pessoas transexuais pela Resolução Conjunta nº 1, do Conselho Nacional de Combate à Discriminação, pautado na sistemática adotada pelo sistema internacional de proteção dos direitos humanos, não só confere aos Estados a obrigatoriedade pela implementação de políticas criminais eficientes, mas, também, é capaz de conferir a essas pessoas a esperança de se verem livres das condutas discriminatórias e que atentem aos direitos humanos, ainda que não sejam livres de fato e de direito.pt_BR
dc.formatTextopt_BR
dc.languagept_BRpt_BR
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziept_BR
dc.subjectdireitos humanospt_BR
dc.subjectencarceramentopt_BR
dc.subjecttransgênerospt_BR
dc.subjectcriminalidadept_BR
dc.titleInstituições carcerárias: uma análise acerca do encarceramento de transgêneros no atual cenário brasileiropt_BR
dc.typeTCCpt_BR
dc.contributor.refereesFernandes, Luis Eduardo Simardi
dc.contributor.refereesBarbosa, Susana Mesquita
dc.publisher.departmentFaculdade de Direito (FD)pt_BR
dc.publisher.initialsUPMpt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.date.qualified2019-06-03


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record