Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/19797
Tipo do documento: Dissertação
Título: Caracterização dos sinais de desatenção e hiperatividade ao longo do desenvolvimento do adulto
Autor: Paes, Izabella Trinta
Primeiro orientador: Carreiro, Luiz Renato Rodrigues
Primeiro membro da banca: Rodrigues, Camila Cruz
Segundo membro da banca: Covre, Priscila
Resumo: O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) representa um quadro que inicia na infância, pode persistir até a vida adulta e ocasionar prejuízos a diversos setores da vida. Embora as características do quadro nesta fase já sejam objetos de estudo em muitas pesquisas, questões permanecem em aberto, principalmente, sobre o quadro em adultos com idades mais avançadas. Ampliar este conhecimento é relevante para conduzir práticas diagnósticas e interventivas. Este estudo teve como objetivo caracterizar do ponto de vista cognitivo e comportamental as queixas de desatenção e hiperatividade/impulsividade ao longo do desenvolvimento do adulto. Com base em indicadores pré-determinados, propôs descrever mudanças ao longo do desenvolvimento, apresentar associações com severidade/frequência de queixas de TDAH e descrever diferenças com aumento da faixa etária. Foram contemplados indicadores de funcionamento cognitivo (atenção, flexibilidade cognitiva, controle inibitório e memória operacional) e indicadores comportamentais de desatenção e hiperatividade/impulsividade, prejuízos funcionais, níveis de impulsividade, Ansiedade e Depressão, problemas somáticos, problemas com pensamento e forças pessoais. Para avaliar os indicadores foram utilizados: Bateria Psicológica para Avaliação da Atenção (BPA); Five Digit Test (FDT); Índice de Memória Operacional da Escala de Inteligência Wechsler para Adultos (IMO-WAIS III); Entrevista Diagnóstica do TDAH em Adultos (DIVA 2.0), Escala de Impulsividade de Barratt (BIS 11); Escala de Prejuízos Funcionais TDAH (EPF-TDAH); e Inventários de Auto-Avaliação para Adultos (ASR/OASR). Participaram 68 voluntários entre 18 e 68 anos, e 49 deles entre 20 e 68 anos foram incluídos na amostra analisada. Para tanto, os instrumentos Adult Self-Report Scale (ASRS 18), Mini Exame do Estado Mental (MEEM), Escala de Inteligência Abreviada (WASI) e Ficha de Dados Pessoais e Anamnese identificaram pessoas com queixas de TDAH, sem prejuízos cognitivos sugestivos de quadro demencial, com habilidades intelectuais adequadas, sem diagnóstico atual ou vitalício de quadros neurológicos e/ou psiquiátricos e sem prejuízo sensorial visual ou auditivo. A amostra analisada foi dividida em dois grupos. O grupo 1, com 25 pessoas entre 20 e 30 anos de idade, e o grupo 2, com 24 pessoas entre 31 e 68 anos de idade. Por fim, foram feitas análises de correlação de Pearson e análises de comparação através do Teste T de Student. O aumento das queixas de TDAH mostrou associações com: declínio de forças pessoais; aumento de prejuízo funcional (acadêmico, doméstico, financeiro e social); aumento do nível de impulsividade; aumento de indicadores de Ansiedade, Depressão, problemas somáticos e problemas com pensamento; declínio dos desempenhos em memória operacional; declínio de desempenhos em atenção concentrada e dividida, e aumento de erros e omissões em tarefas de atenção concentrada, dividida e alternada; e aumento dos tempos de execução devido à interferência da inibição e flexibilidade cognitiva. Com o aumento da idade ocorreu: melhora nos desempenhos em memória operacional; declínio nos desempenhos em atenção concentrada, dividida e alternada; aumento do nível de impulsividade; aumento de prejuízo funcional (financeira e trânsito); declínio de indicadores de Ansiedade, Depressão, problemas somáticos e problemas com pensamento; e aumento de indicadores de forças pessoais. Com o aumento da faixa etária não houve diferenças em inibição, flexibilidade cognitiva e número de queixas de TDAH. Tais achados demonstraram a possível relação entre o desenvolvimento e a apresentação dos sinais de TDAH. O conjunto de dados encontrados segue o mesmo sentido do modelo de heterogeneidade na caraterização do quadro. O estudo também ratificou a importância da avaliação neuropsicológica e comportamental em processos diagnósticos.
Abstract: Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) is a condition that begins in childhood, can persist into adult life, and can cause harm to various areas of life. Although the characteristics of the condition at this stage are already the subject of study in many studies, questions remain open, especially about the condition in adults with more advanced ages. Expanding this knowledge is relevant to conducting diagnostic and interventional practices. This study aimed to characterize from the cognitive and behavioral point of view the complaints of inattention and hyperactivity/impulsivity throughout adult development. Based on pre-determined indicators, he proposed describing changes throughout development, presenting associations with severity / frequency of ADHD complaints and describing differences with increasing age. Indicators of cognitive functioning (attention, cognitive flexibility, inhibitory control and working memory) and behavioral indicators of inattention and hyperactivity / impulsivity, functional impairments, levels of impulsivity, anxiety and depression, somatic complaints, thought problems and personal strengths were considered. To evaluate the indicators were used: Psychological Battery for Attention Assessment (BPA), Five Digit Test (FDT), Working Memory Index Wechsler Adult Intelligence Scale-Third Edition (WMI-WAIS-III), Diagnostic Interview for ADHD in adults (DIVA 2.0), Barratt Impulsiveness Scale (BIS 11), Functional Impairment Scale ADHD (EPF-ADHD) and Adult Self-Report Inventories (ASR / OASR). Participants included 68 volunteers between 18 and 68 years of age, and 49 of them between 20 and 68 years old were included in the sample analyzed. To this end, the Adult Self-Report Scale (ASRS 18), Mini Mental State Examination (MMSE), WASI and Personal Data Sheet and Anamnesis identified individuals with complaints of ADHD, without cognitive impairment suggestive of dementia, with adequate intellectual abilities, without current or life diagnosis of neurological and / or psychiatric conditions and without visual or auditory sensorial impairment. The analyzed sample was divided into two groups. Group 1, with 25 people between 20 and 30 years of age, and group 2, with 24 people between 31 and 68 years of age. Finally, Pearson's correlation analyzes and comparison analyzes were made through the Student's T-Test. The increase in ADHD complaints showed associations with: decline in personal strength; increased functional impairment (academic, domestic, financial and social); increased level of impulsivity; increase of indicators of Anxiety, Depression, somatic complaints and thought problems; decline in working memory performance; declining performance in concentrated and divided attention, and increased errors and omissions in tasks of concentrated, divided and alternate attention; and increased execution times due to inhibition and cognitive flexibility interference. With the increase of the age occurred: improvement in the performances in working memory; decline in performance in concentrated, divided and alternate attention; increased level of impulsivity; increased functional impairment (financial and transit); decline of indicators of Anxiety, Depression, somatic complaints and thought problems; and increased indicators of personal strength. With the increase of the age group there were no differences in inhibition, cognitive flexibility and number of ADHD complaints. These findings demonstrated the possible association between development and presentation of ADHD signs. The set of data found follows the same sense of the heterogeneity model in the characterization of the table. The study also ratified the importance of neuropsychological and behavioral assessment in diagnostic processes.
Palavras-chave: TDAH;  avaliação;  funcionamento cognitivo;  impulsividade;  prejuízos funcionais;  desenvolvimento;  envelhecimento;  adultos
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS)
Programa: Distúrbios do Desenvolvimento
Citação: PAES, Izabella Trinta. Caracterização dos sinais de desatenção e hiperatividade ao longo do desenvolvimento do adulto. 2018. 192 f. Dissertação (Distúrbios do Desenvolvimento) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3670
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/19797
Data de defesa: 10-Ago-2018
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/3670/5/Izabella%20Trinta%20Paes.pdf
Aparece nas coleções:Distúrbios do Desenvolvimento - Dissertações - CCBS Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons