Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/18870
Tipo do documento: Tese
Título: Modelo estrutural de literácia financeira : um estudo sobre o comportamento financeiro de brasileiros considerando grupos com diferentes níveis de conhecimento financeiro e autoconfiança
Autor: Ramalho, Thiago Borges
Primeiro orientador: Forte, Denis
Primeiro membro da banca: Bido, Diógenes de Souza
Segundo membro da banca: Yoshinaga, Claudia Emiko
Terceiro membro da banca: Cesar, Ana Maria Roux Valentini Coelho
Quarto membro da banca: Gama, Ana Paula Matias
Resumo: É cada vez maior a responsabilidade das pessoas em tomar decisões financeiras decisivas para a promoção de satisfação e bem-estar financeiro, o que aumenta a importância da literácia financeira, cujo conceito e mensuração ainda não foram estabilizados pela literatura. Nesta tese, literácia financeira foi definida como um conjunto de relações que possam explicar, ao menos parcialmente, o comportamento financeiro das pessoas, considerando a heterogeneidade presente no público amostral para diferentes combinações de conhecimento financeiro e autoconfiança. Assim, o presente estudo objetivou investigar se o modelo conceitual de literácia financeira proposto se aplica da mesma forma para todos os grupos estudados. Para tanto, foram utilizados os dados relativos ao estudo da OECD (2016), também usados e disponibilizados por Garber e Koyama (2016). Após análise, os dados resultaram em uma amostra final de 1487 brasileiros. As relações entre as variáveis foram estimadas por meio da modelagem de equações estruturais por mínimos quadrados parciais (Partial Least Squares – Path Modeling) e a investigação das diferenças entre os grupos foi realizada por meio de análise multigrupos. Os resultados obtidos indicaram que o modelo de literácia financeira teve conhecimento financeiro influenciando positivamente autoconfiança, com ambos afetando positivamente comportamento financeiro, mas, para pessoas com baixo conhecimento financeiro e baixa autoconfiança, assim como para os excessivamente confiantes ou com falta de confiança, o modelo não se aplicou, o que implicou em afirmar que programas de educação financeira podem não ser úteis se considerarem apenas o aprimoramento de conhecimentos técnicos, sem levar em consideração aspectos comportamentais.
Abstract: People are increasingly responsible for making sound financial decisions to foster their financial satisfaction and wellbeing, which magnifies the importance of financial literacy, the concept and measurement of which are not yet crystallized in the literature. In this study, financial literacy has been defined as a set of relationships capable of at least partly explaining people’s financial behavior, considering the heterogeneity of the sample public for different combinations of financial knowledge and self-confidence. Therefore, the present study investigates whether the financial literacy conceptual model proposed applies similarly to every group under study. To this end, we used OECD (2016) data, which have also been used and made available in Garber and Koyama (2016). Once analyzed, the data produced a final sample of 1,487 Brazilian citizens. The relationships among variables were estimated by partial least squares structural equations path modeling and the differences between groups were investigated using multi-group analysis. The results indicate that, in the financial literacy model, financial knowledge positively influences self-confidence, and both have a positive influence on financial behavior, but, for individuals with low financial knowledge and low self-confidence, as well as for those with too much or too little confidence, the model did not hold. This implies arguing that financial education programs may not be of use if they address technical knowledge improvement alone and fail to take account of behavioral aspects.
Palavras-chave: alfabetização financeira;  comportamento financeiro;  sucesso de confiança;  falta de confiança
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA)
Programa: Administração de Empresas
Citação: RAMALHO, Thiago Borges. Modelo estrutural de literácia financeira : um estudo sobre o comportamento financeiro de brasileiros considerando grupos com diferentes níveis de conhecimento financeiro e autoconfiança. 2017. 118 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3532
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/18870
Data de defesa: 1-Dez-2017
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/3532/5/THIAGO%20BORGES%20RAMALHO.pdf
Aparece nas coleções:Administração de Empresas - Teses - CCSA Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons