Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/18850
Tipo do documento: Tese
Título: Cidade em festa, cidade em disputa: ativismo e apropriação do espaço urbano em São Paulo no início do século XXI
Autor: Marino, Cintia Elisa de Castro
Primeiro orientador: Guerra Neto, Abílio da Silva
Primeiro membro da banca: Somekh, Nadia
Segundo membro da banca: Marquez, Renata Moreira
Terceiro membro da banca: Wisnik, Guilherme Teixeira
Quarto membro da banca: Santoro, Paula Freire
Resumo: A investigação propõe uma reflexão sobre um novo tipo de apropriação dos espaços urbanos em São Paulo, Brasil. O uso de bicicletas, o plantio de hortas comunitárias e a organização de festas de rua são fenômenos que encontraram força ao lado de ativismos de ação direta mobilizados por meio da internet. Os grupos se intensificaram no contexto da crise de representatividade política das manifestações de junho de 2013 no Brasil, com forte crítica ao sistema democrático. Ao surgir novas atividades e usos, se constroem novas formas e processos de produção urbana. No campo do urbanismo, os ativistas buscam refletir sobre questões cotidianas e novas formas de construção colaborativa da cidade. A investigação analisa três territórios de ação direta em São Paulo, o “Minhocão”, o "Parque Augusta" e o Largo da Batata. O primeiro, o “Minhocão”, é atualmente um espaço público de dupla função: uma via expressa elevada de ligação centro-oeste de 3,4 km de extensão que é usada como espaço de lazer à noite e nos finais de semana. Entre 2011 e 2014, jovens ativistas do Movimento Baixo Centro organizaram de forma autônoma intervenções artísticas e culturais no local, em formato de festivais. Em 2013, a Associação Parque Minhocão foi fundada, por outro grupo de ativistas, com o objetivo específico de influenciar o poder público à interromper permanentemente o uso viário e transformar o espaço público em um parque elevado. O segundo espaço urbano, o “Parque Augusta” é um terreno privado reivindicado como uma área verde. Como estratégia de resistência à aprovação de um projeto de construção, um grande grupo de pessoas ocupou o terreno, e organizou atividades de arte e cultura em favor da criação do parque. O terceiro território analisado é o Largo da Batata. Jovens reativaram o espaço público após o esvaziamento decorrente da implantação de um projeto urbano. Assim surgiu o coletivo A Batata Precisa de Você, no formato de encontro social, todas as noites de sexta-feira, promoviam uma variedade de atividades no local. O coletivo autônomo trabalhou com intervenções simples e de baixo custo. A priori, a metodologia do trabalho de investigação é conduzida por cinco elementos: tempo, narrativas, escala espacial, questionamentos, noções e conceitos. O método de abordagem permitiu verificar diferenças e semelhanças apresentadas pelos materiais coletados. Além das fronteiras geográficas, confrontam-se materialidade, atores envolvidos e percepção pessoal. Os ativistas alcançam novas formas de transformação, diferentes de projetos e planos urbanísticos. Assim constroem um novo paradigma urbano. A hipótese é que existe uma tensão entre liberdade de ação e institucionalização. A controvérsia maior que pode surgir está no tipo de poder que os ativismos podem exercer no processo de transformação territorial. O espaço urbano torna-se cenário de conflito com desdobramentos lúdicos e disputas políticas.
Abstract: A new type of appropriation of urban spaces emerges in São Paulo, Brazil. The use of bicycles, the planting of communal gardens and the organization of street parties are part of a phenomenon that gains strength along with direct action of urban activism. These groups started to mobilize in the context of the crisis of political representation of 2013, in which multitude took the streets against Brazil’s political system. The activists aim to discuss the everyday life in cities and seek new ways of building the urban spaces. This research analyzes three territories that resistant groups occupy as part of their direct actions and activism. “Minhocão” is currently a dual function public space: a 3.4 km in length highway that people use as an urban park at night and in weekends. In 2011, young activists of the Baixo Centro Movement independently organize artistic and cultural interventions as urban festivals. In 2013 another group of activists founded the Civil Association Parque Minhocão with the specific objective of influencing the municipality to permanently interrupt the road use and transform the public space into a high line park. “Parque Augusta” is a private plot of land neighbors and collectives claim as a public green area. In 2013, as a strategy of preserving the remaining vegetation of the Atlantic Forest, a coalition of activists occupied the land, and organized art and culture activities in favor of the creation of the park. In 2015, as a festival, the occupation was repeated. In “Largo da Batata”, some activists have reactivate a public space that had the municipality destroyed according to an urban development project. Every friday evening, they promoted a diversity of activities, such as: thematic dialogues, practices of interventions, workshops, parties and concerts. Thus emerged the group "The Potato Needs You" (something like The Potato Needs You), a mixture of social encounter with movement "maker". Workshops for the construction of urban furniture with reusable wood and gardening often extended on weekends. This autonomous group works with simple and low-cost interventions. That activists initiatives of self-management seeks new forms of space transformation, not through projects and plans, but by constructing a new urban paradigm. The hypothesis is that there is a tension between freedom of action and institutionalization in the dispute over urban spaces. Somewhat controversial can be the kind of power that activism tactics can exercise in territorial transformation. The urban space becomes the scene of conflict with playful developments and political disputes.
Palavras-chave: ativismo;  apropriação do espaço público;  ação direta;  comuns urbanos;  urbanismo tático;  mobilização online
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA REGIONAL E URBANA::ECONOMIA URBANA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU)
Programa: Arquitetura e Urbanismo
Citação: MARINO, Cintia Elisa de Castro. Cidade em festa, cidade em disputa: ativismo e apropriação do espaço urbano em São Paulo no início do século XXI. 2018. 257 f. Tese ( Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3783
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/18850
Data de defesa: 24-Ago-2018
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/3783/5/Cintia%20Elisa%20Marino.pdf
Aparece nas coleções:Arquitetura e Urbanismo - Dissertação – FAU Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons