Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/18168
Tipo do documento: Tese
Título: O narrador como mediador de leitura em Alice’s adventures in wonderland e na literatura infantil brasileira
Autor: Maia, Gisele Gomes
Primeiro orientador: Lajolo, Marisa Philbert
Primeiro membro da banca: Vasconcelos, Maria Lucia Marcondes Carvalho
Segundo membro da banca: Hanna, Vera Lucia Harabagi
Terceiro membro da banca: Monteiro, Katia Canton
Quarto membro da banca: Camargo, Luis
Resumo: Considerando que a narrativa Alice’s Adventures in Wonderland, clássica história da literatura infantil inglesa, foi inicialmente contada oralmente por seu autor Charles Ludwig Dodgson (que posteriormente a publicou sob o pseudônimo de Lewis Carroll) a três meninas da família Lidell, entre elas Alice, em um passeio de barco, buscaremos na obra indícios da oralidade, como alguns trechos explicativos, descritivos e/ou interativos, que permanecem no texto escrito, revelando um diálogo estabelecido entre autor e leitores pela intermediação do narrador. Para isso, consideraremos três versões do mesmo texto: o manuscrito original Alice’s Adventures Under Ground, a obra publicada Alice’s Adventures in Wonderland e a versão abreviada para crianças pequenas The Nursery Alice. A partir disso, verificaremos a permanência desse diálogo em três traduções para a Língua Portuguesa, sendo elas as realizadas por Monteiro Lobato (1931), Ana Maria Machado (2000) e Tatiana Belinky (2008). Atentar-nos-emos em especial à de Monteiro Lobato, por ser a primeira tradução da obra para a Língua Portuguesa e porque apresentou preocupação em adaptar não apenas a linguagem, mas também os elementos espaciais e as personagens da obra para a cultura brasileira. Consideramos a hipótese de que essa interação seja fator que contribua para a permanência da obra até os dias de hoje, sendo considerada um clássico da literatura universal, uma vez que traz intervenções em sua leitura, auxiliando leitores de diferentes contextos (espaciais e temporais) na sua compreensão. Além disso, buscaremos analisar como esse recurso de interação parece ter sido utilizado em outros casos da Literatura Infantil Brasileira, como em obras de Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Lygia Bojunga, entre outros. Para a realização de tal estudo, nos apoiaremos na noção de sistema literário de Antonio Candido (1959), em estudos sobre tradução literária de Bassnet (1980) e estética da recepção de Iser (1983), e nas concepções de formação de leitores e mediação de leitura de Hunt (1991), Lajolo (2001), Colomer (2003) e Petit (2008).
Abstract: Considering the narrative Alice’s Adventures in Wonderland, classical story of the English Children Literature, was formerly orally told by its author Charles Ludwig Dodgson (who lately published it under the pseudonym Lewis Carroll) to three little girls from the Lidell family, Alice among them, in a boat ride, we will search in this story indications of orality, as some explicative, descriptive and/or interactive passages, which prevail in the written text, revealing a established dialogue between writer and readers through the mediation of the narrator. For that, we are going to consider three versions of the same text: the original manuscript Alice’s Adventures Under Ground, the published book Alice’s Adventures in Wonderland and a short version for small children The Nursery Alice. Then we are going to verify the permanence of this dialogue in three Portuguese language translations, the ones from Monteiro Lobato (1931), Ana Maria Machado (2000) and Tatiana Belinky (2008). We are going to concern specially about the Monteiro Lobato one, since it is the one who concerned in adapt not only the language, but the environment and characters of the story to our Brazilian culture. We consider the hypothesis of this interaction as a factor that has collaborated for the permanence of this story, still considered a classic of universal literature, once it brings interventions about its reading, what can help readers from different contexts (in place and time) to understand the text. Besides that, we intend to analyze how this interactive resource has been used in other cases of Brazilian Children Literature, as in the novels written by Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Lygia Bojunga, among others. To do this study, we are going to support our researches in the notion of literary system by Antonio Candido (1959), in studies about literary translations of Bassnet (1980) and reception theory by Iser (1983), and in concepts of readers formation and reading mediation by Hunt (1991), Lajolo (2001), Colomer (2003) and Petit (2008).
Palavras-chave: Lewis Carroll;  leitura;  sistema literário;  Alice’s adventures in wonderland;  literatura infantil;  tradução
Área(s) do CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS
CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::LITERATURA BRASILEIRA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Centro de Comunicação e Letras (CCL)
Programa: Letras
Citação: MAIA, Gisele Gomes. O narrador como mediador de leitura em Alice’s adventures in wonderland e na literatura infantil brasileira. 2016. 128 f. Tese( Letras) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3022
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/18168
Data de defesa: 17-Fev-2016
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/3022/5/Gisele%20Gomes%20Maia.pdf
Aparece nas coleções:Letras - Teses - CCL Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.