Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/14716
Tipo do documento: Tese
Título: Desaprendizagem de gestores: como ocorre esse processo em situações de fusões e aquisições, e qual a sua relação com a aprendizagem
Autor: Rodrigues, Henrique Geraldo
Primeiro orientador: Bido, Diógenes de Souza
Primeiro membro da banca: Brunstein, Janette
Segundo membro da banca: Fischer, André Luiz
Terceiro membro da banca: Ferreira, Jorge Flávio
Quarto membro da banca: Coelho Júnior, Pedro Jaime
Resumo: Abordagens recentes, no campo de estudos da administração e organizações, têm considerado a desaprendizagem individual o meio pelo qual a pessoa pode romper com os efeitos de obstrução provocados por aprendizados já adquiridos, com a finalidade de facilitar o processo de aquisição de novos. Nessa perspectiva, entende-se que a desaprendizagem pelo indivíduo constitui-se em um elemento, especialmente importante, para lidar com a resistência pessoal em relação aos processos de mudança organizacional e de inovação, e para o encaminhamento de solução de problemas na organização. Contudo, apesar da importância atribuída ao tema, argumenta-se haver pouca compreensão empírica sobre a forma pela qual o mecanismo da desaprendizagem opera e quanto aos seus efeitos sobre o conhecimento individual, o que tem contribuído para que o desenvolvimento teórico do tema mostre-se, conceitualmente, confuso. Por isso, esta pesquisa foi orientada pela seguinte questão de pesquisa: como ocorre a desaprendizagem de gestores e que implicações esse processo tem na aprendizagem destes indivíduos? Para tal, o objetivo geral foi o de descrever e analisar as interpretações formuladas por gestores sobre situações de desaprendizagem individual, vivenciadas a partir de um evento de fusão ou aquisição empresarial (F&A), bem como os efeitos desta experiência sobre o aprendizado desses indivíduos. Com base nos pressupostos filosóficos do interpretativismo, adotou-se como estratégia de investigação a pesquisa narrativa, delineada em consonância com as proposições de Riessman (2008) e Schütze (2014). Os dados foram coletados por meio de entrevistas episódicas (FLICK, 2002), junto a 20 gestores que vivenciaram o evento de F&A e as narrativas analisadas por meio do método da análise temática de narrativas (RIESSMAN, 2008). Os resultados conduzem ao entendimento de que, no caso desses gestores, a desaprendizagem individual representou a adoção deliberada de um comportamento voltado a interromper a prática de aprendizados prévios, com o propósito de adaptar-se a uma situação de mudança, a qual pode demandar ou não a aquisição de novos aprendizados. As principais implicações decorrentes deste achado envolvem as seguintes considerações sobre a ocorrência do fenômeno: o mecanismo da desaprendizagem individual envolve a interrupção de um modo de pensar ou agir, em contraponto às abordagens que o delimitam por meio de ideias como descarte, abandono ou esquecimento; a desaprendizagem e a aquisição de novos aprendizados podem ser tomadas como processos distintos, diferentemente das abordagens que sugerem tratar-se de um mesmo processo ou que concebem a desaprendizagem como um tipo de aprendizagem; o principal propósito da desaprendizagem envolveu a adaptação ao contexto organizacional em mudança, ao contrário das abordagens que indicam que sua finalidade seja, apenas, facilitar a aquisição de novos aprendizados ou favorecer a substituição de aprendizados; ao facilitar o rompimento com as barreiras constituídas na forma de atitudes psicológicas de apego aos antigos conhecimentos, a desaprendizagem favorece as aprendizagens que têm por finalidade promover a mudança de compreensões individuais prévias. As contribuições teóricas desta pesquisa advêm da evidenciação do processo de desaprendizagem individual e seus elementos, a partir da interpretação dos próprios sujeitos: em que se constituiu a experiência de desaprender, o conteúdo da desaprendizagem, os fatores individuais e organizacionais que afetaram a desaprendizagem, e os efeitos desta sobre os aprendizados prévios e o conhecimento individual. Quanto às contribuições práticas, entende-se que a desaprendizagem representa um meio pelo qual gestores possam lidar com a falta de efetividade de processos de aprendizagem e de mudança, mediante a adoção de ações voltadas à desaprendizagem em processo de treinamento e desenvolvimento pessoal, e de mudança organizacional.
Abstract: Recent approaches in the fields of administration and organization have considered individual unlearning as the means through which an individual may break away from the effects of obstructions caused by already acquired learnings, under the intention of facilitating the acquisition of others. From this perspective, it is understood that unlearning, by an individual, consists of an especially important element for dealing with personal resistance in relation to the processes concerned with organizational change and innovation, as well as the forwarding of solutions to problems within the organization. However, in spite of the importance attributed to the theme, it is argued that there is little empirical understanding of the way by which the unlearning mechanism operates and to which degree its affects individual knowledge. This has therefore contributed to the theoretical development of the theme as being seen as conceptually confusing. It is for this reason that this research study was directed toward the following research question – how does unlearning in managers occur and what are the implications that this process has on the learning of others? For such, the general objective was to describe and analyse the interpretations formulated by managers concerning situations of experienced individual unlearning from a merger and acquisition event (M&A), as well as the effects of this experience on the learning of these individuals. Based on philosophical assumptions of interpretivism, a narrative analysis was adopted as an investigative strategy, in line with proposals set out by Riessman (2008) and Schütze (2014). Data was collected by means of episodic interviews (FLICK, 2002), together with 20 managers that experienced the M&A event and the narratives analysed through the method of thematic narrative analysis (RIESSMAN, 2008). The results lead one to the understanding that, in the case of managers, individual unlearning represented the conscious adoption of behaviour directed towards breaking prior learned practices, under the intent of adapting to situations of change, which can demand or not the acquisition of new learning. The main implications arising from this finding involve the following considerations concerning the occurrence of the phenomenon. i) The mechanism of individual unlearning involves the interruption of a mode of thinking or action, in contrast to approaches that delimit, by means of ideas such as discarding, abandoning or forgetting. ii) Unlearning and the acquisition of new learning can be taken as distinct processes, different to those approaches that suggest treating these as the same process or which consider unlearning as type of learning. iii) The main proposal of unlearning involved its adaptation to the context of organizational change, contrary to approaches that indicate that its purpose is only to facilitate the acquisition of new learning or encourage the replacement of learnings. iv) To facilitate the breaking of barriers constituted in the form of psychological attitudes of attachment to longstanding knowledge, unlearning favours learning that has the aim of providing changes to previous individual understanding. The theoretical contributions of this research come from the very evidence pertinent to the individual unlearning process and its elements, which arise from the interpretation of the subjects themselves. Through which is constituted the experience of unlearning, the content of unlearning, the individual and organizational factors that affect unlearning and the effects of this on prior learning and individual knowledge. In terms of practical contributions, it is understood that unlearning represents a means by which managers are able to deal with the lack of effectiveness in learning and change processes by taking actions aimed at the learning training process, personal development, and organizational change.
Palavras-chave: desaprendizagem de gerentes;  desaprendizagem individual;  aprendizagem gerencial;  fusões e aquisições
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA)
Programa: Administração de Empresas
Citação: RODRIGUES, Henrique Geraldo. Desaprendizagem de gestores: como ocorre esse processo em situações de fusões e aquisições, e qual a sua relação com a aprendizagem. 2016. [196 f.]. Tese (Administração de Empresas) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, [São Paulo] .
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2841
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/14716
Data de defesa: 3-Ago-2016
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2841/5/Henrique%20Geraldo%20Rodrigues.pdf
Aparece nas coleções:Administração de Empresas - Teses - CCSA Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.