Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/14686
Tipo do documento: Dissertação
Título: Violência midiática: a necessidade de seu reconhecimento para a efetivação dos direitos humanos das mulheres
Autor: Faleiros, Juliana Leme
Primeiro orientador: Bertolin, Patrícia Tuma Martins
Primeiro membro da banca: Andreucci, Ana Claudia Pompeu Torezan
Segundo membro da banca: Farias, Luiz Alberto de
Resumo: que apenas no final do século XX há equiparação dos seus direitos aos direitos humanos. No entanto, apesar dos avanços legais em instâncias internacionais e nacionais, a realidade ainda é a elas hostil. No Brasil, por exemplo, verifica-se que, no ranking de 84 países, o país é o 7º no que diz respeito ao assassinato de mulheres, que é o ápice do ciclo de violência e se soma a outras formas de subjugação expressas cotidianamente. Compreender quais são as estruturas sociais que corroboram para a continuidade desse cenário faz-se necessário para o seu enfrentamento e, diante da importância que os meios de comunicação possuem na sociedade brasileira, a presente dissertação pretende olhar criticamente para a relação entre a mídia e a questão das mulheres, analisando se sua influência contribui ou não para a reprodução dessas formas de opressão social. O objetivo, portanto, é investigar o papel que os meios de comunicação vêm desempenhando no debate da questão de gênero e, para tanto, faz-se o uso de pesquisas produzidas por órgãos oficiais e ONGs sobre a vulnerabilidade da mulher em conjugação com o conceito de violência simbólica de Pierre Bourdieu da obra “A dominação masculina”. Ao se utilizar de tal conceito, insere-se nessa pesquisa a ideia por ele apresentada de que a dominação masculina reproduz-se nas relações sociais e, a partir do entendimento que os veículos de comunicação medeiam tais relações, a desigualdade de gênero se perpetua, caracterizando a denominada violência midiática. A defesa da inclusão dessa compreensão de opressão contra as mulheres nas leis protetivas internas brasileiras é uma das considerações apresentadas ao final desse trabalho – tendo como referência as encontradas na Argentina e Venezuela –, pois ao ampliar o rol de formas de violência visibilizar-se-á a reprodução de estereótipos nos meios de comunicação e possibilitar-se-á o seu combate social.
Abstract: Abstract Violence against women comes up in different ways along history being only at the end of 20th century the equality of their rights to the human rights. Although despite the legal progress in national and international agencies, the reality to them is still hostile. In Brazil, for example, we are able to see that in a ranking of 84 countries, the country is the 7th linked to murder of women, which is the highest point of the violence cycle and it is added to other ways of subjugation expressed in the day by day routine. It's necessary to understand which are the social structures that cooperate to the continuity of this scenario to be able to face this problem and, according to the media importance in the Brazilian society, the present research intends to look critically to the relation between media and women's issues, analyzing if its influence contributes or not for the reproduction of these social oppressive ways. The objective is to investigate the role that communication means are developing in the debate related to gender and, for that, it is used research data produced by official institutions as well as NGO, about the women's vulnerability together with symbolic violence of Pierre Bourdieu in his literary work, “A dominação masculine” – “Male domination”. Based on this concept we input in this research his idea of male dominance being reproduced in social relations and, based on understanding that means of communication deal with such relations, the inequality of gender still goes on, being the dominated mediatic violence. The defense of the inclusion of such comprehension of oppression against women in the Brazilian internal protective law, is one of the considerations presented at the end of this study , having as reference Argentina and Venezuela because after a broad list of different violence ways, we'll be able to visualize the production of stereotypes in the means of communication and it'll become possible its social combat.
Palavras-chave: direitos humanos;  mulheres;  violência midiática
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Faculdade de Direito (FDIR)
Programa: Direito Político e Econômico
Citação: FALEIROS, Juliana Leme. Violência midiática: a necessidade de seu reconhecimento para a efetivação dos direitos humanos das mulheres. 2016. 113 f. Dissertação( Direito Político e Econômico) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2886
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/14686
Data de defesa: 17-Ago-2016
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2886/5/Juliana%20Leme%20Faleiros.pdf
Aparece nas coleções:Direito Político e Econômico - Dissertações - Direito Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.