Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/14657
Tipo do documento: Dissertação
Título: Construção da resistência à mudança organizacional na relação entre agentes
Autor: Matos, Juscely Reis
Primeiro orientador: Domenico, Silvia Marcia Russi de
Primeiro membro da banca: Teixeira, Maria Luisa Mendes
Segundo membro da banca: Vergara, Sylvia Constant
Resumo: A resistência à mudança organizacional é comumente atribuída aos receptores da mudança, os quais são rotulados pelos agentes como os únicos responsáveis pela ocorrência desse fenômeno. Contrapondo-se a essa visão tradicional, iluminou-se uma abordagem de resistência que defende sua ocorrência como fruto da relação entre agentes e receptores da mudança, por meio de suas interações ao longo do processo. Porém, não se defende aqui essa discriminação agentereceptor. Considera-se que todos os envolvidos são agentes na construção da resistência. O objetivo deste estudo foi compreender como a resistência é construída na relação entre agentes em um processo de mudança organizacional. Focalizando a consolidação de duas plantas pertencentes a uma divisão de uma indústria da cadeia automobilística, adotou-se abordagem qualitativa e como estratégia de pesquisa o estudo de caso, considerando-se como fontes de materiais discursivos, entrevistas episódicas, observações e documentos. Os resultados obtidos mediante análise temática mostram a ocorrência de resistência nos diferentes agentes envolvidos com a mudança, que surge por meio das ações e (re)ações desses agentes ao longo do processo, além de outras reações, como distanciamento e aceitação da mudança. A agência não é algo restrito àqueles que estão responsáveis pelo planejamento e implementação do processo, mas se faz presente em outros envolvidos que se mostram capazes de alterar os planos originais mediante diferentes formas de expressão de resistência. Pretende-se contribuir com este estudo para o campo de mudança nas organizações ao colocar luz em uma abordagem de resistência ainda pouco explorada e ao propor que todos são agentes em sua construção. Essa reflexão também se faz importante aos gestores para que percebam como suas ações estão relacionadas ao fenômeno da resistência, que tanto tentam evitar em processos de mudança.
Abstract: The organizational resistance to change is commonly attributed to the change recipients, the ones labelled by the agents as the sole responsible for the occurrence of this phenomenon. As counterpoint to this traditional view, aroused an approach of corporative resistance as an attribution to both agents and recipients, by their interaction along the change process. However, we do not defend here a segregation of agent-recipient, once we consider that all involved in the process are agents of resistance construction. The objective of this study was to comprehend how resistance is created in the relationships amongst the various agents in a process of organizational change. Focusing on the consolidation of two sites pertaining to a company of the automotive industrial chain; it was adopted the qualitative approach and as research strategy the case study, considering as sources discursive materials, episodic interviews, observations and documents. The results obtained through the thematic analysis, show the occurrence of resistance in the different agents involved with the change, that rises up through actions and (re)actions of these agents along the process, beyond others reactions, such as distancing and acceptance of the change. The agency is not restricted to those responsible for planning and implementing the process, but present in others involved that shows up as capable to alter the original plans, through different ways of expressions of resistance. This study aims contributing to the field of organizational changes, bringing light to an approach of resistance yet scarcely explored, and proposing that all are agents in the resistance construction. This reflection shows up also important to the managers for them to realize how their actions are intrinsically related to the resistance phenomenon, that they fiercely try to avoid during the process of change.
Palavras-chave: resistência;  relação entre agentes;  mudança organizacional;  indústria automobilística
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Centro de Ciências Sociais e Aplicadas (CCSA)
Programa: Administração de Empresas
Citação: MATOS, Juscely Reis. Construção da resistência à mudança organizacional na relação entre agentes. 2016. [110 f.]. Dissertação (Administração de Empresas) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, [São Paulo].
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2847
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/14657
Data de defesa: 3-Ago-2016
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2847/5/Juscely%20Reis%20Matos.pdf
Aparece nas coleções:Administração de Empresas - Dissertações - CCSA Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.