Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13979
Tipo do documento: Dissertação
Título: Perspectivas do fantástico em três contos de Hoffmann
Autor: Sousa, Sônia Dias de
Primeiro orientador: Trevisan, Ana Lúcia
Primeiro membro da banca: Atik, Maria Luiza Guarnieri
Segundo membro da banca: Infante, Joyce Rodrigues Ferraz
Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar as perspectivas do fantástico a partir da análise de três contos do escritor alemão Hoffmann: O Homem da Areia , Haimatocare e Os Autômatos . Para o desenvolvimento da pesquisa sobre o fantástico, utilizamos as perspectivas teóricas desenvolvidas por Furtado (1980) e Todorov (2004), privilegiando um conjunto de circunstâncias narrativas que incitam o surgimento da hesitação e a ambigüidade nos contos. Desse modo, examinamos como as estratégias distribuídas no percurso narrativo se constroem e mantêm a ambigüidade, responsável pela sustentação da hesitação que transparece tanto no interior dos contos quanto em sua relação com o leitor real. Por fim, tecemos algumas considerações sobre o fantástico, entendendo-o como uma possibilidade de interpretação das relações humanas, tantas vezes contraditórias, e, por isso mesmo, intrinsecamente, semelhantes às contradições que caracterizam o cerne da literatura fantástica. Nesse sentido, a trajetória delineada nos contos estudados permite um questionamento a respeito do entendimento de mundo dos diferentes sujeitos representados, demonstrando que a ambigüidade pode ser um caminho para a compreensão de uma realidade tantas vezes desconcertante, ainda que marcada por uma aparente coerência.
Abstract: This work aims at presenting some perspectives on the fantastic fiction, taking as its starting point the analysis of three short stories by the German writer Hoffmann, namely: The Sandman , Haimatocare and Automata . So as to built up the research on the fantastic fiction, we resorted to the theoretical perspectives developed by Furtado (1980) and Todorov (2004), favouring an array of narrative circumstances that foster the rising of hesitation and ambiguity. In such a way, we examined how strategies employed along the narrative flow build themselves and sustain ambiguity, which is responsible for the maintenance of hesitation, shown not only within the short stories but also in their relationship with the actual reader. Finally, we have made some considerations on the fantastic fiction, which can be understood as a possibility of interpreting human relations, rather contradictory and, exactly because of that, intrinsically similar to the contradictions that characterize the core of the fantastic literature. Thus, the course outlined in the short stories analysed in this work allows for an inquiry about the represented subjects world understanding, which demonstrates that ambiguity can be a way towards the comprehension of a reality so many times disconcerting, no matter how coherent it may seem.
Palavras-chave: contos;  fantástico;  ambigüidade;  Hoffmann;  stories;  fantastic;  ambiguity;  Hoffmann
Área(s) do CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Letras
Programa: Letras
Citação: SOUSA, Sônia Dias de. Perspectivas do fantástico em três contos de Hoffmann. 2008. 91 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2264
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13979
Data de defesa: 11-Dez-2008
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2264/1/Sonia%20Dias%20de%20Sousa.pdf
Aparece nas coleções:Letras - Dissertações - CCL Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.