Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13471
Tipo do documento: Tese
Título: Entre o novo e o atemporal: a sonoridade plástica de Fantasia
Autor: Hayek, Thais Fernanda Martins
Primeiro orientador: Giora, Regina Célia Faria Amaro
Primeiro membro da banca: Vergueiro, Waldomiro de Castro Santos
Segundo membro da banca: Davino, Gláucia Eneida
Terceiro membro da banca: Persichetti, Simonetta
Quarto membro da banca: Schwartz, Rosana Maria Pires Barbato
Resumo: A relevância e a criatividade de Walt Disney para a história da cultura e da arte contemporânea estão expressas na sua obra Fantasia (1940), cuja originalidade se caracteriza pela união entre as novas tecnologias aplicadas ao cinema de animação nas primeiras décadas do século XX e as mais diversas linguagens artístico-culturais produzidas até então. Por meio desta combinação entre valores estéticos e éticos, a linguagem simbólica utilizada permite identificar os arquétipos que orbitam o inconsciente coletivo no imaginário popular. Este trabalho buscou apresentar uma análise do filme Fantasia, apontando em especial seus aspectos históricos, estruturais e simbólicos, por meio dos recursos metodológicos propostos em Hermenêutica da Profundidade, por John B. Thompson. Para se chegar aos resultados, foram definidos, portanto, três focos de interesses presentes na obra: o contexto histórico-cultural no qual esta foi produzida a obra; os recursos técnicos da linguagem fílmica e, por último, as questões comportamentais vinculadas à Psicologia Arquetípica. O primeiro capítulo traz uma breve introdução do cinema de animação, as contribuições de Disney e sua equipe para a fundamentação desta modalidade como arte autônoma. Destaca a história da criação e produção de Fantasia no seu contexto histórico. O segundo capítulo aponta os fatores estruturais da obra, fazendo uma análise descritiva e relacionando-a com os princípios de animação, que deram identidade a essa linguagem e ajudaram a fundamentar uma estética singular. No último capítulo é feita uma reintrepetação das formas animadas presentes em Fantasia, propostas por Disney e sua equipe, sob a ótica da psicologia arquetípica, ou seja, que símbolos representam as estruturas mais profundas da psique coletiva dando sentido ao enredo. As considerações finais confirmam a hipótese inicial de que Fantasia é uma obra original no que tange seu percurso técnico, condicionada pelos valores éticos e estéticos da formação judaico-cristã no mundo ocidental e seu sucesso atemporal se deve à utilização de símbolos e mitos universais presentes nos primórdios da história da civilização.
Abstract: The relevance and creativity of Walt Disney to the cultural history and contemporary art is express in the movie Fantasia (1940), which originality is characterized by the union between the new technologies applied to the animation movies in the first decades of the twentieth century and the diverse kinds of cultural and artistic languages produced so far. Through this combination between aesthetic and ethical values, the symbolic language used allows the identification of the archetypes of the collective unconscious that orbit in the popular imagination. This work aims to present an analysis of Fantasia movie, especially the historic, structural and symbolic aspects, through the methodological resources proposed at the John B Thompson s Depth Hermeneutics. To the results were defined three focuses of interest which are at the movie: the historical and cultural contexts which the movie was made; the technical features of the film language and, finally the behavioral issues linked to the archetypal psychology. The first chapter provides a brief introduction of the animation movies and the Disney s contributions and his staff for this autonomous art. And, points the history of the creation and production of Fantasia in its historical context. The second chapter aims to show the structural factors of the work, making a descriptive analysis and relate it to the animation principles that gave to this language the bases of a singular aesthetic. In the last chapter, it's made a reinterpretation to the animate forms in the movie Fantasia, proposed by Disney and his staff, in the perspective of archetypal psychology, in other words, what are the symbols that represents the deeper structures of the collective psyche giving the meaning of the story. The final consideration confirms the initial hypothesis that Fantasia is an original work in terms of its technical way, conditioned by ethical and aesthetic values of Judeo-Christian traditions and its timeless success is based on the universal symbols and myths that exist in the beginning of history of the civilization.
Palavras-chave: animação;  música;  Fantasia;  Disney;  arquétipos;  mitos;  animation movies;  Fantasia;  Disney;  archetypes;  myths
Área(s) do CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::ARTES::CINEMA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Educação, Arte e História
Programa: Educação, Arte e História da Cultura
Citação: HAYEK, Thais Fernanda Martins. Entre o novo e o atemporal: a sonoridade plástica de Fantasia. 2014. 216 f. Tese (Doutorado em Educação, Arte e História) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2081
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13471
Data de defesa: 8-Ago-2014
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2081/1/Thais%20Fernanda%20Martins%20Hayek.pdf
Aparece nas coleções:Educação, Arte e História da Cultura - Teses - CEFT Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.