Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13464
Tipo do documento: Tese
Título: Cor luz - cor pigmento: a física e as artes
Autor: Curcio, Ítalo Francisco
Primeiro orientador: Stori, Norberto
Primeiro membro da banca: Mello, Regina Lara Silveira
Segundo membro da banca: Rampazzo, Loris Graldi
Terceiro membro da banca: Monteiro, Waldemar Alfredo
Quarto membro da banca: D'ambrosio, Oscar Alejandro Fabian
Resumo: Ciência e Arte são dois conceitos que mudaram muito ao longo da história, sobretudo, em decorrência da própria evolução cultural vivida pela humanidade. A Ciência, em seu estágio primitivo, como sinônimo de conhecimento, antecedeu a Arte, todavia, segundo sua concepção atual, em razão da proposta do Método, por Francis Bacon, é algo recente em comparação ao tempo de existência do ser humano na Terra. E, nesse sentido, a Arte antecedeu a Ciência, pois desde o seu princípio ela sempre se configurou como tal, não obstante as várias formas com as quais se apresentou, por isso, por diversas vezes menciona-se Artes ao invés de Arte. No rol das Ciências, agrupadas em Ciências Naturais e Ciências Humanas, destaca-se a Física, que mesmo no estágio primitivo das ciências, referiu-se sempre à Natureza como um todo, justificando sua própria etimologia Física, do Grego, Physis que significa Natureza e, deste modo, de acordo com os registros disponíveis, acompanha as Artes desde a Pré-história. Neste contexto, o presente trabalho, que apresenta um breve histórico da evolução da percepção e da reprodução das cores pelo homem, tem como principal atributo um estudo do conceito de cor, como pigmento e como luz, tendo a Física como alicerce, de acordo com o ramo de conhecimentos denominado Óptica. A partir de uma pesquisa bibliográfica, de experiências do autor e de outros especialistas, tanto nas Artes como nas Ciências em Geral, proporcionou-se uma ampla abordagem das Artes e da Física, em termos da interdisciplinaridade que se verifica entre o tema Cor e os conceitos físicos da Óptica, como um dos ramos desta ciência. Os registros utilizados são fundamentados por obras ainda existentes, desde o tempo das pinturas rupestres até a contemporaneidade, em seus diversos processos, incluindo objetos tridimensionais, como esculturas, dentre outros. Esta fundamentação inclui também a bibliografia, documentos localizados em museus, espaços culturais e bibliotecas, bem como depoimentos de pesquisadores, em função de seus respectivos trabalhos. Contempla-se ainda a evolução de algumas técnicas de reprodução de cores, tanto na Arte Pictórica, com o uso de pigmentos, como na iluminação de ambientes, produção de vidros incolores e coloridos e a Arte Fotográfica, Cinematográfica e Digital, a partir de fontes de luz, em suas diversas formas de obtenção e de algumas aplicações.
Abstract: Science and Art are two concepts that have been greatly evolved throughout history, mainly due to cultural evolution experienced by humanity itself. Science, in its primitive stage, as synonymous of knowledge, preceded the Arts. However, according to its current concept considered as a result of the proposed method, by Francis Bacon, it is a recent phenomenon when compared to the period of human existence on Earth. Thus, Art preceded Science, because from its beginning it always configured as such, despite the different ways in which it has been presented. This is why the term Arts is used instead of Art. Among the Sciences, separated as Natural Sciences and Humanities, Physics stands out, even in the primitive stage of science, always referred to Nature as a whole, justifying its etymology Physics, the Greek Physis that means Nature and, according to available records, developed with the Arts since prehistory. In this context, this work, which presents a brief history of the evolution of perception and color reproduction by man, has as main attribute a study of the concept of color, pigment and light as taking Physics as a foundation, according to the branch of knowledge called Optics. From a literature search, the author s and other expert s experiences, both in Arts and in Science in General, an approach of Arts and Physics is presented, in terms of interdisciplinarity that exists between the color theme and concepts of physical optics, as one of the branches of this science. Records used are based on works that still exist, such as cave paintings and paintings in other processes, frescoes and sculptures, as well as the bibliography, documents preserved in museums, libraries and cultural venues, and statements from researchers, due to their own works. It was also included in this compilation the development of some technics of color reproduction, both in pictorial art, using pigments, as in architectural lightening projects, fabrication of transparent and colored glasses and at photographic, cinematographic and digital arts from light sources, in its different ways of generation and applications.
Palavras-chave: arte;  ciência;  cor;  física;  óptica;  Art;  Science;  color;  Physics;  optics
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::TOPICOS ESPECIFICOS DE EDUCACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Educação, Arte e História
Programa: Educação, Arte e História da Cultura
Citação: CURCIO, Ítalo Francisco. Cor luz - cor pigmento: a física e as artes. 2013. 254 f. Tese (Doutorado em Educação, Arte e História) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2073
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13464
Data de defesa: 20-Ago-2013
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2073/1/Italo%20Francisco%20Curcio.pdf
Aparece nas coleções:Educação, Arte e História da Cultura - Teses - CEFT Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.