Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13368
Tipo do documento: Dissertação
Título: Punição física em crianças com deficiências de um município de baixa renda: um estudo epidemiológico
Autor: Ferreira, Kelly
Primeiro orientador: Paula, Cristiane Silvestre de
Primeiro membro da banca: Brunoni, Décio
Segundo membro da banca: Martin, Denise
Resumo: A violência pode ser considerada toda ação danosa à vida e à saúde do indivíduo. Crianças e adolescentes, por sua maior vulnerabilidade e dependência, costumam ser vítimas freqüentes de atos abusivos. Entre as práticas educativas mais comuns utilizadas pelos pais está incluída a punição corporal. Não foram identificados estudos epidemiológicos realizados no Brasil sobre violência doméstica contra crianças e adolescentes com deficiências, mas parece razoável supor que as taxas neste grupo vulnerável também sejam altas. Os objetivos deste estudo foram: (1) determinar a freqüência de punição física de crianças e adolescentes com deficiências físicas e sensoriais em comunidade urbana de baixa renda na região metropolitana de São Paulo; (2) descrever o tipo de punição sofrida por estas crianças e adolescentes no ambiente doméstico, segundo o tipo de deficiência; e (3) comparar a punição física de crianças e adolescentes com deficiências físicas, sensoriais e sem deficiências. Método: estudo de corte transversal realizado com amostra populacional de um bairro de baixa renda do município de Embu, São Paulo. A amostra foi composta por 811 crianças e adolescentes com idade entre zero e 17 anos de idade. Os instrumentos utilizados foram o CORE questionnaire para avaliar violência doméstica e o Questionário de Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (ABEP) para a determinação de classes econômicas. Como os dados deste estudo fazem parte do Estudo Brasileiro de Violência Doméstica (BrazilSAFE), as definições de punição física grave e não grave foram baseadas neste. Resultados: Nesta amostra, 47 crianças/adolescentes (5,8%) apresentavam algum tipo de deficiência física e/ou sensorial segundo informação das mães. Identificaram-se altos índices de punição física não grave (67,6%) e grave (19,6%) na amostra total, assim como na subamostra de deficientes: 61,7% de punição física não grave e 10,6% de punição física grave nos últimos doze meses. Na punição física não grave as palmadas nas nádegas apresentaram-se em evidência, já na punição física grave, bater nas nádegas com objetos como vara, vassoura, pedaço de pau ou cinto se destacou. Verificou-se ainda que as crianças e adolescentes com deficiência sensorial apresentaram maior chance de sofrer punição física não grave que os deficientes físicos (OR: 5,0; IC 1,2-20,4. p 0,03). Conclusão: Devido às altas taxas de punições encontradas, seria de extrema importância a implementação de sistemas de prevenção da violência praticada contra as crianças e adolescentes com deficiência. Entidades de proteção à criança/adolescente e serviços de apoio a famílias, com atenção especial àqueles que possuem deficiência sensorial, ou seja, menos visíveis, podem vir a contribuir para melhor assistência evitando o agravamento dos problemas e o surgimento de novos casos.
Abstract: Violence can be considered as any action that is injurious to the life and health of an individual. Children and adolescents, due to their greater vulnerability and dependence, are frequently victims of abusive acts. Among the educational practices that parents most commonly use, we find corporal punishment. There have been no epidemiological studies identified in Brazil about domestic violence against handicapped children and adolescents, but it seems reasonable to suppose that the numbers in this vulnerable group are also high. The objectives of this study are: (1) to determine the frequency of physical punishment in physically and sensorially handicapped children and adolescents in a low-income urban community in the metropolitan region of São Paulo; (2) to describe the type of punishment suffered by these children and adolescents in the domestic environment, according to the type of handicap; and (3) to compare the physical punishment of children and adolescents having physical, sensorial and no handicaps. Methods: transversal study with a populational sample in a low-income neighborhood in the city of Embu, São Paulo. The sample included 811 children and adolescents aged from 0 to 17 years. The instruments used were the CORE questionnaire to evaluate domestic violence and the Questionnaire of the Brazilian Association of Research Enterprises (BARE) to determine economic classes. Being that the data in this study are part of the Brazilian Study of Domestic Violence (Estudo Brasileiro de Violência Doméstica (BrazilSAFE), the definitions of severe and non-severe physical punishment are based therein. Results: In this sample, 47 children/adolescents (5,8%) presented some type of physical and/or sensorial handicap according to information given by the mothers. Of the total sample number, high indices of non-severe punishment (67.6%) and severe punishment (19.6%) were identified, as was found in the handicapped sub-sample: (61.7%) of non-severe physical punishment and severe punishment (10.6%) during the last twelve months. In non-severe punishment slapping of the buttocks was prominent, while in severe punishment, slapping the buttocks with objects, such as a pole, a broom, a wooden stick or a belt were more prominent. We also verified that sensorially handicapped children and adolescents have a greater chance of suffering non-severe physical punishment than do those that are physically handicapped (OR: 5,0; IC 1,2-20,4. p 0,03). Conclusion: Due to the high rate of punishments encountered, it would extremely important that systems be implemented to prevent the violence practiced against handicapped children and adolescents. Entities to protect the child and adolescents as well as support services for the family, with special attention to those who are sensorially handicapped, or, if you will, those who are less visible, can contribute to a better assistance prevetting the aggravation of the problems and the sprouting of new cases.
Palavras-chave: violência doméstica;  deficientes;  punição física;  domestic violence;  handicapped;  physical punishment
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Psicologia
Programa: Distúrbios do Desenvolvimento
Citação: FERREIRA, Kelly. Punição física em crianças com deficiências de um município de baixa renda: um estudo epidemiológico. 2008. 87 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1681
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13368
Data de defesa: 31-Jan-2008
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/1681/1/Kelly%20Ferreira.pdf
Aparece nas coleções:Distúrbios do Desenvolvimento - Dissertações - CCBS Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.