Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13209
Tipo do documento: Tese
Título: Desenvolvimento e avaliação de um programa interventivo para promoção de funções executivas em crianças
Título(s) alternativo(s): Development and assessment of an interventive programme for executive function promotion in children
Autor: Dias, Natália Martins
Primeiro orientador: Capovilla, Alessandra Gotuzo Seabra
Primeiro membro da banca: Macedo, Elizeu Coutinho de
Segundo membro da banca: Carreiro, Luiz Renato Rodrigues
Terceiro membro da banca: Maluf, Maria Regina
Quarto membro da banca: Fonseca, Rochele Paz
Resumo: As funções executivas (FE) compõem um conjunto de processos cognitivos e metacognitivos fundamentais ao controle e à regulação do comportamento, emoção e cognição. Estudos internacionais têm enfatizado a relevância destas funções à aprendizagem e comportamento autorregulado e delineado programas de intervenção para promover o desenvolvimento destas habilidades. Porém, a mesma ênfase não tem ocorrido no âmbito nacional. Este projeto objetiva (1) desenvolver o Programa de Intervenção sobre a Autorregulação e Funções Executivas (PIAFEx) e (2) testar sua eficácia em uma amostra de crianças. Na primeira parte do estudo, foram desenvolvidas as atividades do programa e o mesmo foi submetido à avaliação de juízes. A revisão subsequente originou a versão final do PIAFEx, que conta com 43 atividades distribuídas em 10 módulos básicos e um complementar. Suas atividades proporcionam oportunidades em que a criança pode praticar comportamentos adaptativos e autorregulados em uma série de situações e contextos. Na segunda parte do estudo, a amostra final foi constituída por 138 crianças de pré-escola e 1º ano do Ensino Fundamental, com idade média de 5,5 anos, matriculadas em duas escolas públicas do estado de SP. Além das crianças, participaram 10 professoras, sendo cinco de classes do Educação Infantil e cinco de 1º ano. Destas, quatro classes (duas de cada nível escolar) constituíram o Grupo Experimental (GE) e seis classes (três de cada nível escolar), o Grupo Controle (GC). O PIAFEx foi aplicado e avaliado ao longo de três etapas: pré-teste, intervenção e pós-teste. No pré-teste, todas as crianças foram avaliadas no Simon Task, Teste de Stroop Semântico, Teste de Trilhas para pré-escolares, Escala de Maturidade Mental Colúmbia (EMMC) e Teste de Vocabulário por Imagens Peabody. Pais e professores responderam ao Inventário de Funcionamento Executivo Infantil (IFEI) e a questionários (QPa para pais e QPr para professores) de informações básicas sobre a criança e sobre o professor. Na etapa de intervenção, as professoras do GE foram orientadas e supervisionadas na aplicação das atividades do PIAFEx. Elas próprias conduziram as atividades, diariamente, em sala de aula. O GC permaneceu com as atividades escolares regulares. No pós-teste, foi repetido o mesmo procedimento do pré-teste, com exceção da EMMC e dos questionários QPa e QPr, e foi realizada entrevista com as professoras do GE. Foram conduzidas Ancovas, tendo o desempenho em cada índice de cada instrumento no pós-teste como variável dependente e o mesmo desempenho no pré-teste como covariante, separadamente para cada nível escolar. As análises evidenciaram ganhos da intervenção sobre os desempenhos em atenção e inibição, medidas pelos testes de desempenho, para as crianças da Educação Infantil e sobre atenção, inibição e flexibilidade cognitiva, medidas pelos testes de desempenho, e planejamento e memória de trabalho, aferidos pelo IFEI, para as crianças do 1º ano. Houve ganho na habilidade de vocabulário apenas para o GE do 1º ano e nenhum ganho da intervenção sobre a velocidade de nomeação, como esperado visto que a intervenção não se propôs a desenvolver tal habilidade. Análises de regressão mostraram que variáveis socioeconômicas, familiares e da escola/professor contribuem ao desenvolvimento da habilidade de flexibilidade cognitiva, ainda que apenas variáveis individuais figuraram como preditoras das medidas de inibição. Estas análises também sugeriram que a participação na intervenção pôde suplantar os efeitos de variáveis socioeconômicas, familiares e atrelas à escola/professor, corroborando os efeitos da intervenção evidenciados a partir das Ancovas. A análise de conteúdo das entrevistas realizadas com as professoras do GE evidenciou suas percepções a respeito de ganhos na capacidade de organização, planejamento, disciplina, interação e manejo de conflitos entre as crianças. O estudo possibilitou o desenvolvimento e contribui à disponibilização de um procedimento de intervenção inédito no Brasil. Adicionalmente, evidenciou sua aplicabilidade em distintos níveis escolares e sua eficácia em promover o desenvolvimento das FE em crianças pré-escolares e no início do Ensino Fundamental, promovendo contribuições profícuas ao diálogo entre neuropsicologia e educação, a partir de uma concepção preventiva.
Abstract: Executive functions (EF) are a set of cognitive and metacognitive processes fundamental to the control and regulation of behavior, emotion and cognition. International studies have emphasized the importance of these functions to learning and self-regulated behavior and designed intervention programs to promote the development of these skills. However, the same emphasis has not occurred nationally. This project aims to (1) develop the Early Intervention Program on Executive Functioning (PIAFEx) and (2) to test its efficacy in a sample of children. In the first part of the study, we developed the program activities and the same was submitted to the judges. A subsequent review led to the final version of the PIAFEx, which has 42 activities divided into 10 basic modules and a supplement. Their activities provide opportunity in which children can practice adaptive and self-regulated behaviors in a variety of situations and contexts. In the second part of the study, the final sample consisted of 138 children of preschool and 1st year of elementary school, with an average age of 5.5 years, enrolled in two public schools in the state of SP. Besides children, 10 teachers participated, five of preschool classes and five of 1st grade. Of these, four classes (two from each grade level) constituted the experimental group (EG) and six classes (three from each grade level), the Control Group (CG). The PIAFEx was implemented and evaluated over three stages: pretest, intervention and posttest. In the pretest, all children were assessed at Simon Task, Semantic Stroop Test, Trail Making Test for preschoolers, Columbia Mental Maturity Scale (CMMS) and Peabody Picture Vocabulary Test. Parents and teachers responded to the Children Executive Functioning Inventory (CHEXI) and questionnaires (QPA for parents and QPR for teachers) about child and teacher s basic informations. In the intervention stage, the teachers of GE were instructed and supervised in the implementation of the activities of the PIAFEx. The teachers conducted the activities daily in the classroom. The GC remained with the regular activities. At posttest, the same procedure of the pretest was repeated, except for the EMMC and questionnaires QPR and QPA, and an interview was performed with the EG teachers. ANCOVAs were conducted, with each performance index of each instrument in the posttest as the dependent variable and the same performance in the pretest as covariate, separately for each grade level. The analyzes showed gains of the intervention on performance in attention and inhibition, measured by performance tests, for preschool children and on attention, inhibition and cognitive flexibility, measured by performance tests, and planning and working memory, as measured by CHEXI for children from 1st grade. There were gains in vocabulary skill only to EG from 1st grade and no gain on the naming speed, as expected since the intervention did not aim to develop such skill. Regression analyzes showed that socioeconomic, family and school / teacher variables contribute to the development of cognitive flexibility skills, even only individual variables figured as predictors of measures of inhibition. These analyzes also suggest that participation in the intervention may outweigh the effects of socioeconomic, family and school / teacher variables, confirming the effects of the intervention evidenced from ANCOVAs. A content analysis of the interviews with the teachers of the EG showed their perceptions of gains in organizational skills, planning, discipline, interaction and conflict resolution among children. The study enabled the development and contributes to providing an unprecedented intervention procedure in Brazil. Furthermore, the research showed its applicability in different grade levels and its effectiveness in promoting the development of EF in preschoolers and children in early elementary school, promoting fruitful contributions to the dialogue between neuropsychology and education, from a preventive view.
Palavras-chave: prevenção;  educação infantil;  desenvolvimento sóciocognitivo;  autorregulação;  prevention;  childhood education;  sociocognitive development;  self-regulation
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA COGNITIVA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Psicologia
Programa: Distúrbios do Desenvolvimento
Citação: DIAS, Natália Martins. Development and assessment of an interventive programme for executive function promotion in children. 2013. 288 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1768
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13209
Data de defesa: 28-Jan-2013
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/1768/1/Natalia%20Martins%20Dias.pdf
Aparece nas coleções:Distúrbios do Desenvolvimento - Teses - CCBS Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.