Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13001
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorVitor, Everaldopt_BR
dc.date.accessioned2016-03-15T19:37:01Z-
dc.date.accessioned2016-07-19T22:58:23Z-
dc.date.available2011-03-21pt_BR
dc.date.available2016-07-19T22:58:23Z-
dc.date.issued2010-03-02pt_BR
dc.identifier.urihttp://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1381-
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/13001-
dc.description.abstractGiven the variety of metallic materials used in orthopedic implants, the austenitic stainless steel type 316L and F138 have been widely used in Brazil as biocompatible material. Used by the public health, mainly due to it is low cost of manufacture compared to other materials, and because of the good combination of properties of which can be highlighted: The biocompatibility, the mechanical strength and corrosion resistance. However, these materials in contact with physiological fluids of the human body, allow the emergence of mechanisms of degradation such as corrosion, causing adverse reactions to patients.This fact causing possible premature failure of these implants, thus causing inconvenience to them and an additional cost the Unified Health System (SUS) replacement in these products. This work was developed in partnership with the Department of Graduate Studies of Engineering Materials, University of Mackenzie and the Department of Orthopedics and Tramautolog, Santa Casa de Misericordia de São Paulo (DOT-SCM-SP), motivated to perform a research study of the quality of orthopedic surgical implants, particularly osteosynthesis (plates and screws), removed from patients to identify the causes and failures, and possibly to use these results in the prevention of future occurrences of errors. Following the criteria specified in ISO 5832-1 and ASTM F138 that use a methodology, which consists of techniques for visual inspection, chemical analysis, macro and micro-structural characterization and examination fractographic.eng
dc.description.sponsorshipFundo Mackenzie de Pesquisapt_BR
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectimplantespor
dc.subjectaços inoxidáveis austeníticospor
dc.subjectcorrosãopor
dc.subjectimplantseng
dc.subjectaustenitic stainless steelseng
dc.subjectcorrosioneng
dc.titleEstudo da causa de falhas dos aços inoxidáveis austeníticos utilizados em implantes ortopédicospor
dc.typeDissertaçãopor
dc.publisher.departmentEngenharia de Materiaispor
dc.publisher.programEngenharia de Materiaispor
dc.publisher.initialsUPMpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.subject.cnpqCNPQ::ENGENHARIAS::ENGENHARIA DE MATERIAIS E METALURGICApor
dc.description.resumoDada a diversidade de materiais metálicos utilizados em implantes ortopédicos, os aços inoxidáveis austeníticos do tipo 316L e F138 têm sido amplamente empregados no Brasil como materiais biocompatíveis. Eles são utilizados pela Rede Pública de Saúde, devido principalmente ao seu baixo custo de fabricação, em relação aos outros materiais e por apresentarem uma boa combinação de propriedades, das quais podem ser destacadas: a biocompatibilidade, a resistência mecânica e a corrosão. Porém, estes materiais, em contato com fluídos fisiológicos do corpo humano, possibilitam o surgimento dos mecanismos de degradação, tais como a corrosão, causando reações adversas aos pacientes, possíveis falhas prematuras destes implantes, gerando assim transtornos a estes e um custo adicional ao Sistema Único de Saúde (SUS), nas recolocações destes produtos. Este trabalho foi elaborado em parceria com o Departamento de Pós-Graduação de Engenharia de Materiais da Universidade Mackenzie e o Departamento de Ortopedia e Tramautologia da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (DOT-SCM-SP), motivado na elaboração de um estudo investigativo, da qualidade desses implantes cirúrgicos ortopédicos, em especial osteossínteses (placas e pinos), removidos de pacientes com o objetivo de identificar as causas e falhas, e possivelmente utilizar estes resultados na prevenção de ocorrências de futuros erros. Seguindo os critérios especificados nas normas ISO 5832-1 e ASTM F138 em que se aplica uma metodologia, que consiste em técnicas de inspeção visual, análise química, caracterização macro e microestrutural e exame fractográfico das superfícies.por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/4086513032485212por
dc.contributor.advisor1Carrió, Juan Alfredo Guevarapt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3358090638386343por
dc.contributor.referee1Vatavuk, Janpt_BR
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2607688973456560por
dc.contributor.referee2Mercadante, Marcelo Tomanikpt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/7815111212823370por
Aparece nas coleções:Engenharia de Materiais - Dissertações - EE Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.