Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12911
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorFreitas, Aline da Silvapt_BR
dc.date.accessioned2016-03-15T19:34:47Z-
dc.date.accessioned2016-07-19T22:37:49Z-
dc.date.available2009-12-02pt_BR
dc.date.available2016-07-19T22:37:49Z-
dc.date.issued2009-08-26pt_BR
dc.identifier.urihttp://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1258-
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12911-
dc.description.abstractThe history of the right to basic education in Brazil and the analysis of the legal ordenament in force demonstrate positive evolution in its protection and effectiveness. It is important because this is the education level is directed to the commom formation indispensable to the citizenship, to the self development and the improvement of ways to progress in labor and in subsequent studies. Despite that, there are barriers for this happen, in special the financial, without there is not how to assure the effectiveness of the basic education right. The Republic Constitution of 1988 determined percentage of the tax income to the maintenance and development of education, with emphasis on the fundamental education. However, the successive politics of resources application are yet insufficient and do not have the imperative characteristic of continuity. The expectative is that with the Fundeb , fund of countable nature to the maintenance and development of the basic education and the teaching valorization, implemented in 2007 and to be apply until 2020, changes will occur, in special the diminution of the regional inequality, establishing the minimum level to the universalization with quality of the education object of this study. The problem is that there is not public transparency on divulging data about its implementation yet and the citizens do not have mechanism to control it directly. The State cannot exempt from its responsibility, in truth, the basic education is included on the minimum existential idea.eng
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectdireito constitucionalpor
dc.subjectdireito à educaçãopor
dc.subjecteducação básicapor
dc.subjectfinanciamentopor
dc.subjectFundebpor
dc.subjectconstitucional laweng
dc.subjectright to educationeng
dc.subjectbasic educationeng
dc.subjectfinancialeng
dc.subjectFunbebeng
dc.titleO direito à educação básica no Brasil e o problema do seu financiamentopor
dc.typeDissertaçãopor
dc.publisher.departmentDireitopor
dc.publisher.programDireito Político e Econômicopor
dc.publisher.initialsUPMpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITOpor
dc.description.resumoA história do direito à educação básica no Brasil e a análise do ordenamento jurídico vigente demonstram evolução positiva quanto a sua tutela e efetivação. Isto é importante, pois este nível de ensino é direcionado para a formação comum indispensável para o exercício da cidadania, para o desenvolvimento pessoal e dos meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores. Entretanto, há barreiras para a sua efetivação, em que se destaca principalmente a questão do financiamento, sem o qual não há como se assegurar a concretização do direito à educação básica. A Constituição da República de 1988 direcionou percentuais da receita de impostos à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, com ênfase no ensino fundamental. Porém, as sucessivas políticas de aplicação dos recursos apresentam-se insuficientes e sem o imperativo condão da continuidade. A expectativa é que por meio do Fundeb, fundo de natureza contábil voltado à manutenção e desenvolvimento do ensino básico e à valorização do magistério, que vigora desde 2007 e está previsto para perdurar até 2020, mudanças substanciais ocorram, em especial com a diminuição das desigualdades regionais, estabelecendo patamares mínimos para universalização de qualidade do nível de ensino em estudo. Contudo, ainda falta transparência pública na divulgação de dados quanto à sua implementação e os cidadãos carecem de mecanismos para controlar esta diretamente. O Estado não pode se eximir de sua responsabilidade, mesmo porque, a educação básica está inserida na ideia do mínimo existencial.por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3548499403337589por
dc.contributor.advisor1Bertolin, Patrícia Tuma Martinspt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1063419819265955por
dc.contributor.referee1Duarte, Clarice Seixaspt_BR
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3035111705789712por
dc.contributor.referee2Moreira, Robertopt_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/7474747474747474por
dc.thumbnail.urlhttp://tede.mackenzie.br/jspui/retrieve/3528/Aline%20da%20Silva%20Freitas.pdf.jpg*
dc.bitstream.urlhttp://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/1258/1/Aline%20da%20Silva%20Freitas.pdf
Aparece nas coleções:Direito Político e Econômico - Dissertações - Direito Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.