Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12839
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorPadula, Edgardpt_BR
dc.date.accessioned2016-03-15T19:34:30Z-
dc.date.accessioned2016-07-19T22:37:35Z-
dc.date.available2007-11-08pt_BR
dc.date.available2016-07-19T22:37:35Z-
dc.date.issued2007-08-14pt_BR
dc.identifier.citationPADULA, Edgard. As imunidades parlamentares no Brasil após a Emenda Constitucional n. 35/2001 e a atual crise ética do Legislativo. 2007. 295 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2007.por
dc.identifier.urihttp://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1186-
dc.identifier.urihttp://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12839-
dc.description.abstractLegislative immunities were created to uphold the Legislative from pressures or threats, primarily by the Executive, as a means to provide more autonomy for the lawmakers to exercise their constitutional duties, such as debating and watching over the Administration which is the main reason for the governing system to be divided in three. For this reason we analyzed the most fail-safe doctrine addressing democracy, the General Theory of the State, the Legislative and political parties. We studied the theory of freedom from arrest and procedural immunity, as well as testimonial immunity and from incorporation to the Armed Forces, comparing the current system to the one in force prior to Constitutional Amendment 35/2001. We analyzed the institution at federal, state and municipal levels. We presented and analyzed the system of immunities in comparative law was submitted and analyzed vis-à-vis the laws of more relevant countries and those with greater proximity to Brazil, both in terms of geography as well as culture. We confronted countless laws, doctrine and case law. It is a fact that immunities were not conceived for the personal benefit of the legislative officers; however, corruption is not uncommon to the Legislative and the parties involved are not always punished accordingly. We measured how far immunities can lead to impunity. Amendment 35/2001 reduced the breadth of immunities, primarily of the procedural ones, which was successful in allowing the penal actions to continue against legislative officers. Hence, our investigation as to why corruption in the Legislative has not diminished. To answer this question, sociological study was made to try to grasp the reasons for Brazilians considerable lack of interest in politics and to understand politics twists and turns, despite my two decades of democratic experience. In the 2005/2006 biennium, various scandals of corruption were uncovered and repeatedly covered by the press, but did not result in very substantial sanctions. The average Brazilian citizen s behavior is far from civic, patriotic and gregarious. As a consequence, he/she does not closely watch over the lawmaking process, is not always concerned with strictly abiding by the laws or ensuring that others do the same, both in the public and private spheres. Citizens do not closely inspect the Parliament and the Administration as a whole. This detachment prevents citizens from understanding the nuances of politics and from pressing the government for results or behaviors, and consequently failing to demand punishment whenever it applies. In this scenario, we perceive that there is no Government for the people, and controlled by the people. Owing to considerable mismanagement of public moneys, the population is denied a more prosperous material life. It is noteworthy that legislative immunities are merely an aspect of many circumstances leading some politicians to show insignificant concern for ethics and legality, which defiles the image of the Legislative. The topic covered by this study stands out because it is current, relevant, complex and controversial, besides revealing a people who are needy of trustworthy and objective information, distant from parliament, and clearly inexperienced as to a citizen s duty.eng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superiorpt_BR
dc.formatapplication/pdfpor
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade Presbiteriana Mackenziepor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectdireito constitucionalpor
dc.subjectimunidades parlamentarespor
dc.subjectBrasilpor
dc.subjectpolíticapor
dc.subjectdemocraciapor
dc.subjectUniversidade Presbiteriana Mackenziepor
dc.subjectconstitutional laweng
dc.subjectlegislative immunitieseng
dc.subjectBrazileng
dc.subjectpolitics and democracyeng
dc.subjectUniversidade Presbiteriana Mackenzie.eng
dc.titleAs imunidades parlamentares no Brasil após a Emenda Constitucional n. 35/2001 e a atual crise ética do Legislativopor
dc.typeDissertaçãopor
dc.publisher.departmentDireitopor
dc.publisher.programDireito Político e Econômicopor
dc.publisher.initialsUPMpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO::DIREITO PUBLICO::DIREITO CONSTITUCIONALpor
dc.description.resumoAs imunidades parlamentares existem para fortalecer o Legislativo de pressões ou ameaças, especialmente, por parte do Executivo, para que haja maior autonomia no exercício de seu múnus constitucional, como debater e fiscalizar a Administração, que é a principal finalidade do sistema de tripartição dos poderes. Desse modo, a mais avalizada doutrina sobre a democracia, Teoria Geral do Estado, Legislativo e partidos políticos foi analisada. Estudou-se a teoria das imunidades material e formal (freedom from arrest e processual), bem como a imunidade ao testemunho e incorporação às Forças Armadas, comparando o sistema atual ao anterior à Emenda Constitucional 35/2001. O instituto foi avaliado em níveis federal, estadual e municipal. O sistema das imunidades no direito comparado foi apresentado e analisado com a legislação dos países mais relevantes ou mais próximos do Brasil, tanto geográfica como culturalmente. Colacionou-se legislação, doutrina e jurisprudência. As imunidades não foram concebidas para desfrute pessoal dos parlamentares, mas não raro o Legislativo protagoniza casos de corrupção e nem sempre ocorre a punição dos envolvidos. Aferiu-se até que ponto as imunidades ensejam a impunidade. A Emenda 35/2001 reduziu o alcance das imunidades, sobretudo a processual, logrando êxito no sentido de possibilitar o andamento das ações penais contra parlamentares. Daí foi investigado por que a corrupção no Legislativo não foi reduzida. Para responder esta questão, foi realizado um estudo sociológico para tentar entender os motivos do brasileiro ter pouco interesse pela política e não compreender seus meandros, não obstante já possuir vinte anos de experiência democrática. No biênio 2005/2006, vários escândalos de corrupção foram desnudados e insistentemente alardeados pela mídia, mas as punições foram pífias. O cidadão brasileiro tem um comportamento pouco cívico, patriota e associativo. Não acompanha com afinco a feitura das leis, vezes não as observa nem zela para que sejam obedecidas, tanto em âmbito público como privado. Não fiscaliza de perto o parlamento e a Administração como um todo. Não apreende as coisas da política e sequer cobra resultados ou comportamentos, deixando de exigir punições, sempre que cabíveis. Com isso percebe-se que não existe um Governo para o povo, sob controle deste. Em razão do mau uso do dinheiro público, a população deixa de ter um padrão de vida material mais próspero. Observa-se que as imunidades parlamentares são um dos aspectos de toda uma miríade de circunstâncias, que leva alguns políticos a demonstrar pouca preocupação com a ética e a legalidade, o que deturpa a imagem do Legislativo. O tema do estudo destaca-se pela sua atualidade, relevância, complexidade e polêmica; além de mostrar uma população carente de informações confiáveis, objetivas e distante do parlamento, sendo inexperiente nas atribuições da cidadania.por
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/4420475694168479por
dc.contributor.advisor1Caggiano, Monica Herman Salempt_BR
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5838200117976292por
dc.contributor.referee1Carvalho, Milton Paulo dept_BR
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/4336853981144511por
dc.contributor.referee2Almeida, Fernanda Dias Menezes dept_BR
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/9986801426675896por
dc.thumbnail.urlhttp://tede.mackenzie.br/jspui/retrieve/3463/Edgard%20Padula.PDF.jpg*
dc.bitstream.urlhttp://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/1186/1/Edgard%20Padula.PDF
Aparece nas coleções:Direito Político e Econômico - Dissertações - Direito Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.