Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12659
Tipo do documento: Dissertação
Título: Alexandra Kollontai: a mulher, o direito e o socialismo
Autor: Cruz, Paula Loureiro da
Primeiro orientador: Mascaro, Alysson Leandro Barbate
Primeiro membro da banca: Silva, Solange Teles da
Segundo membro da banca: Naves, Márcio Bilharinho
Resumo: A presente pesquisa aborda o pensamento de Alexandra Kollontai, autora russa marxista e feminista que se destacou durante o regime de transição socialista iniciado com a Revolução Russa Proletária de outubro de 1917. Foi a primeira mulher a ocupar um cargo junto ao alto escalão do governo, como Comissária do Povo do Bem-Estar Social, a ocupar o posto de Embaixadora em diversos países, e finalmente ao receber o título de Ministra Plenipotenciária, na Noruega. Seu pensamento feminista tornou-se notável (e objeto de embates polêmicos), ao propor nova moral sexual, a se estabelecer na futura sociedade comunista, fundada nos princípios proletários da solidariedade, da camaradagem e da coletividade, como meio de propiciar cidadania. Por meio de detalhada análise sob a perspectiva marxista, Kollontai concebe a problemática feminina como questão social, haja vista a estreita ligação existente entre a exploração e opressão da mulher no mercado de trabalho e no âmbito familiar e o regime econômico capitalista. Como forma de assegurar a libertação da mulher, com sua participação nas fileiras de trabalho em igualdade de condições com os homens, Kollontai propõe a socialização dos serviços domésticos e dos cuidados com os filhos. Aprofundando a linha de pensamento desenvolvida por Engels em A origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, a autora propõe a abertura dos relacionamentos entre os sexos, sob a forma de união livre, e antecipa os contornos da forma familiar futura, definindo-a como família universal proletária, em que não mais haverá diferenciação entre os filhos. Sua notoriedade também é vista em virtude da sua participação como líder da Oposição Operária, facção criada dentro do Comitê Central do Partido Comunista Bolchevique durante o regime de transição, que se opunha frontalmente a decisões adotadas por líderes do Partido, em especial, Vladimir Ilich Ulianov (Lenin), bem como aos caminhos adotados no curso da revolução.
Abstract: This research addresses the thought of Alexandra Kollontai: Russian Marxist and feminist author who stood out during the transitional socialist started with the Russian Revolution Proletarian October 1917, being the first woman to hold office with the highest levels of government, as Commissioner People's Welfare, to occupy the post of ambassador in several countries, and finally to receive the title of Minister Plenipotentiary, in Norway. Her feminist thinking became notable (and controversial object collisions) for proposing new sexual morality, to establish in the future communist society, founded on the principles of proletarian solidarity, camaraderie and community, as a means of promoting citizenship. Through detailed analysis from the perspective of Marxism, Kollontai conceives the question of women as a social issue, given the close link between the exploitation and oppression of women - in employment and in the family - and the capitalist economic system. As a way to ensure women's liberation, with their participation in the labor ranks on equal terms with men, Kollontai proposed socialization of housework and child care. Deepening the line of thought developed by Engels in The Origin of the Family, Private Property and the State, the author proposes the opening of the relationships between the sexes in the form of free union, which will run no longer necessarily the duty of exclusivity (or fidelity) and anticipates the future contours of the familiar form by defining it as proletarian universal family where there is no longer differentiate between children. Her notoriety is also seen as a result of its participation as a leader of the Workers' Opposition, faction created within the Central Committee of Communist Party of Bolsheviks during the transition regime, which flatly opposed to decisions made by party leaders, in particular, Vladimir Ilich Ulyanov (Lenin) and the paths taken in the course of the revolution.
Palavras-chave: feminismo;  socialismo;  mulher;  feminism;  socialism;  women
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Direito
Programa: Direito Político e Econômico
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/1004
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12659
Data de defesa: 14-Mar-2011
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/1004/1/Paula%20Loureiro%20da%20Cruz.pdf
Aparece nas coleções:Direito Político e Econômico - Dissertações - Direito Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.