Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12398
Tipo do documento: Dissertação
Título: Aliança como fator de vantagem competitiva sustentável: um estudo exploratório no setor varejista farmacêutico
Autor: Ribeiro, Bianca Bonassi
Primeiro orientador: Zilber, Moisés Ari
Resumo: O presente estudo é uma pesquisa de caráter exploratório que se refere à possibilidade de farmácias e drogarias desenvolverem alianças, de maneira a alcançar vantagem competitiva sustentável na região de Bragança Paulista, interior do estado de São Paulo. O Brasil é o 8o país no mercado de medicamentos, onde 80% dos negócios do setor correspondem à venda de medicamentos, conforme estudo realizado pela Gerência Setorial de Comércio e Serviços do BNDES. Atualmente, existem em torno de 56.000 farmácias e drogarias que se encaixam em uma das seguintes estruturas: a) independentes; b) redes; c) associativismo (cooperativas); e d) franquias. O referencial teórico segue expondo o contexto, o conceito, o desenvolvimento e a sustentação da vantagem competitiva. Neste sentido, compuseram esta parte do referencial teórico Ansoff (1977), Porter (1986), Mintzberg (1994), Ohmae (1998), Hill e Jones (1998), Aaker (2001), Barney (2002) e Grant (2002). O referencial teórico também apresenta a aliança estratégica como alternativa para obtenção da vantagem competitiva; defendem esta idéia Hill e Jones (1998), Inkpen (2001), Thompson e Strickland (2001) e Barney (2002). O problema de pesquisa que orientou este estudo foi identificar qual a relação entre aliança estratégica e vantagem competitiva sustentável em farmácias e drogarias. Foi realizada uma pesquisa de campo qualitativa com dez gestores de farmácias e drogarias nas cidades de Bragança Paulista e Atibaia. O objetivo geral foi o de verificar, por meio da opinião do varejista, se existe vantagem competitiva sustentável ao formar alianças estratégicas. Os dados coletados foram interpretados por meio da análise de conteúdo desenvolvida por Bardin (1977). Verificou-se que as farmácias e drogarias pesquisadas utilizam sete tipos de alianças estratégicas (franquias, cooperativas, fornecedores exclusivos, convênios próprios, convênios terceirizados, alianças entre farmácias de manipulação e drogarias e por fim, alianças com outras farmácias e drogarias para compartilhar compras). Ao confrontar os dados coletados na pesquisa de campo com o referencial teórico levantado por este estudo, concluiu-se que formar alianças gera vantagem competitiva para o varejo farmacêutico estudado.
Abstract: The present study is a exploratory research which refers to the possibility of pharmacies and drugstores establish a partnership in order to reach sustainable competitive advantage within the region of Bragança Paulista, São Paulo s countryside. Brazil is the 8th country in the medication market where 80% of the businesses correspond to the medication´ selling, according to the study accomplished by the BNDES Sectorial Management of Commerce and Services. Nowadays, there are about 56.000 pharmacies and drugstores which fit in one of the following structures: a) independents; b) groups; c) co-operatives; and d) franchises. The theoretical reference follows explaining the context, the concept, the development and the sustainable competitive advantage. To this part of the research, the theoretical investigation was based on Ansoff (1977), Porter (1986), Mintzberg (1994), Ohmae (1998), Hill and Jones (1998), Aaker (2001), Barney (2002) and Grant (2002). The theoretical reference also presents the partnership strategy as an alternative to obtain the competitive advantage. To defend this idea the following theorists were consulted: Hill and Jones (1998), Inkpen (2001), Thompson and Strickland (2001) and Barney (2002). The research problem that guided this study was to identify the relation between the strategic partnership and the sustainable competitive advantage in pharmacies and drugstores. A quality fieldwork was conducted with ten pharmacies and drugstores managers in the cities of Bragança Paulista and Atibaia. The main purpose was to verify, through the retailers opinion, if there is a sustainable competitive advantage in forming strategic partnerships. The collected data was interpreted by the contents analysis developed by Bardin (1977). It was verified that the researched pharmacies and drugstores used seven types of strategic partnerships (franchises, co-operatives, exclusive supplier, own covenants, outsourced covenants, partnerships between manipulation pharmacies and drugstores and, at last, partnerships with other pharmacies and drugstores to share the purchase). When comparing the fieldwork collected data to the researched theoretical reference in the present study, it concludes that partnerships promote competitive advantage to the pharmaceutical retail studied.
Palavras-chave: vantagem competitiva sustentável;  alianças estratégicas;  varejo farmacêutico;  sustaintable competitive advantage, strategic alliance and pharmaceutical retail
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Administração
Programa: Administração de Empresas
Citação: RIBEIRO, Bianca Bonassi. Aliança como fator de vantagem competitiva sustentável: um estudo exploratório no setor varejista farmacêutico. 2006. 134 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2006.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/684
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12398
Data de defesa: 23-Ago-2006
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/684/1/BIANCA_BONASSI_ADM.pdf
Aparece nas coleções:Administração de Empresas - Dissertações - CCSA Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.