Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12384
Tipo do documento: Dissertação
Título: Inovação aberta e vantagem competitiva: um estudo exploratório das indústrias farmacêuticas no Brasil
Autor: Guimarães, Maria Celeste Neves
Primeiro orientador: Zilber, Moisés Ari
Primeiro membro da banca: Moori, Roberto Giro
Segundo membro da banca: Stal, Eva
Resumo: Esta dissertação analisa a vantagem competitiva das indústrias farmacêuticas, segmento saúde humana Brasil, que adotam a inovação aberta. É um estudo de caráter exploratório e abordagem qualitativa descritiva. Qual é a contribuição da inovação aberta para a vantagem competitiva da indústria farmacêutica foi a pergunta de pesquisa. Identificar a prática da inovação nas empresas selecionadas, verificar a adoção da inovação aberta e descrever a contribuição desta para a vantagem competitiva foram os objetivos específicos. O referencial teórico articula a literatura sobre inovação e vantagem competitiva para melhor entendimento das inter-relações entre os constructos. Dez organizações, duas associações e um representante da academia foram selecionados após análise de informações institucionais e registros documentais. Os principais executivos das empresas nacionais, multinacionais e associações de fabricantes responderam à pesquisa com perguntas semiestruturadas, roteiro padrão e perguntas abertas. O tratamento dos dados qualitativos seguiu a técnica de análise interpretativa. As metacategorias encontradas foram: inovação, pesquisa e desenvolvimento, inovação aberta e vantagem competitiva. Os resultados sinalizam que nestas empresas os produtos novos decorrem de inovações incrementais, radicais e disruptivas. Elas utilizam estratégias tecnológicas ofensivas, defensivas, imitativas e dependentes. No Brasil, a prática da inovação aberta entre as indústrias nacionais participantes acontece em diferentes estágios, conforme gestão interna e externa dos processos de inovação, propriedade intelectual, parcerias, pesquisa e desenvolvimento. Indústrias multinacionais que praticam a inovação aberta no exterior, não adotam no Brasil por razões que coincidem entre os entrevistados. Empresas que utilizam a inovação aberta relataram sua contribuição para recursos e capacidades valiosos, raros e inimitáveis. Dificuldades para adoção no país, também foram mencionadas. Espera-se que este estudo contribua para futuros trabalhos e pesquisas acadêmicas relacionadas à inovação aberta.
Palavras-chave: biotecnologia;  estratégias;  indústria farmacêutica;  inovação aberta;  vantagem competitiva;  biotechnology;  competitive advantage;  open innovation;  pharmaceutical industry;  strategy
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Administração
Programa: Administração de Empresas
Citação: GUIMARÃES, Maria Celeste Neves. Inovação aberta e vantagem competitiva: um estudo exploratório das indústrias farmacêuticas no Brasil. 2015. 135 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/670
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12384
Data de defesa: 8-Dez-2015
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/670/1/Maria%20Celeste%20Neves%20Guimaraes.pdf
Aparece nas coleções:Administração de Empresas - Dissertações - CCSA Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.