Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12338
Tipo do documento: Dissertação
Título: Uso generalizado de stock options e o envolvimento de fundos de venture capital e private equity: análise dos efeitos sobre o desempenho dos IPOs no Brasil
Autor: Silva, Alexandre Rogério da
Primeiro orientador: Forte, Denis
Primeiro membro da banca: Ghobril, Alexandre Nabil
Segundo membro da banca: Minardi, Andrea Maria Accioly Fonseca
Resumo: Este estudo analisa o envolvimento de fundos de Venture Capital e Private Equity e o uso generalizado de Stock Options nos IPOs (Oferta Publica Inicial) no Brasil. A teoria de Agência, desenvolvida por Jensen e Meckling (1976), argumenta que as ferramentas de controle e de incentivo podem comportar-se como complemento uma da outra. Diversos estudos realizados no exterior e no Brasil analisaram o impacto do monitoramento dos fundos de PE/VC no desempenho dos IPOs, porem ainda é escassa a literatura voltada a analisar as estratégias de incentivos via opções de compra de ações (ISOs) como estratégia para a redução do conflito de agência. Este estudo procura preencher a lacuna encontrada na literatura Brasileira, analisando como o envolvimento de fundos de VC/PE e a generalização de planos de incentivo via opções de compra de ações (ISOs) interage para prever o desempenho dos IPOs no Brasil. Os resultados sugerem que as empresas apoiadas por fundos de Venture Capital e Private Equity apresentam maior probabilidade de utilização de uso generalizado de Stock Options para todos os funcionários. Os resultados também sugerem que as empresas apoiadas por fundos de Venture Capital e Private Equity apresentam um CAR (Retorno Excendente Acumulado) superior do que as empresas que não possuem participação deste tipo de fundo.
Abstract: This study examines the involvement of funds of Venture Capital and Private Equity and the widespread use of stock options in IPOs (Initial Public Offering) in Brazil. The Agency theory, developed by Jensen and Meckling (1976), argues that the tools of controlling and incentive can behave as a complement of one another. Several studies conducted abroad and in Brazil analyzed the impact of monitoring funds of PE / VC of the performance of IPOs, however the literature is still scarce aimed at analyzing the strategies of incentives through stock options (ISOs) as a strategy of reducing the agency conflict. This study seeks to fill the gap found in Brazilian literature, analyzing the involvement of funds of VC / PE and generalization of incentive plans via stock options (ISOs) interact to predict the performance of IPOs in Brazil. The results suggest that companies backed by venture capital funds and private equity are more likely to use the widespread use of stock options for all employees. The results also suggest that companies backed by funds from Venture Capital and Private Equity have a CAR (Cumulative Abnormal Return) higher than companies that aren´t backed for this type of fund.
Palavras-chave: abertura de capital;  capital de risco;  incentivos aos funcionários;  teoria da agência;  opções de ações;  IPO;  venture capital;  employee incentives;  agency theory;  incentive stock options
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO::ADMINISTRACAO DE EMPRESAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Administração
Programa: Administração de Empresas
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/624
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12338
Data de defesa: 28-Jan-2014
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/624/1/Alexandre%20Rogerio%20da%20Silva.pdf
Aparece nas coleções:Administração de Empresas - Dissertações - CCSA Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.