Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12080
Tipo do documento: Dissertação
Título: O lugar das galerias do centro de São Paulo: relações entre espaço público e privado
Autor: Machado, Joana Sarue
Primeiro orientador: Lima, Ana Gabriela Godinho
Primeiro membro da banca: Medrano, Ricardo Hernán
Segundo membro da banca: Bruna, Paulo Júlio Valentino
Resumo: Ao analisar os antigos espaços destinados ao comércio na história da civilização mundial pode-se notar que esses locais não só se destinavam à troca de mercadorias excedentes, mas também funcionavam como lugar do encontro e da vida pública dos cidadãos, como era o caso do bazaar árabe, da ágora grega e dos mercados de Paris. Este uso do espaço público para o comércio irá sofrer grandes modificações com a Revolução Industrial, quando as mercadorias passaram a ser produzidas em grande escala e a população como um todo passou a ter acesso ao local de venda destes produtos. É a época do surgimento das grandes lojas de departamento e das galerias comerciais. As galerias, também chamadas de passagens, surgiram em Paris, no século XIX e se espalharam pelo mundo, modificando as relações entre público e privado no espaço urbano das cidades. Por ser um espaço privado, acessível ao público em geral, pôde-se transitar nele sem que a necessidade de consumir algo. Diferentemente dos centros de compras fechados, estes espaços se relacionavam de forma mais aberta com a cidade, sem barreiras tão definidas entre os espaços públicos e privados ou semi-privados. Em São Paulo as galerias comerciais surgiram no século XX, tendo como base a idéia francesa e com a intenção de aumentar as áreas "rentáveis" dos edifícios. A grande maioria delas existe até hoje e está localizada no Centro Novo da cidade. Com seus usos destinados ao comércio e serviços, muitas delas acabaram por se especializar em algum tipo de produto. São utilizadas também como passagem para os pedestres que querem apenas cruzar as quadras através de seu interior.Esta pesquisa visa a análise de alguns destes lugares, do ponto de vista da relação que estabelecem entre os espaços público e privado, levando em conta os acessos, circulação interna e outros pontos importantes do projeto de cada uma dessas galerias.
Abstract: Analysing the ancient spaces designed for commerce in the history of civilisation it is possible notice that such places were not just used for the exchange of goods, but were also a place for meeting and for public life of citizens, as was the case of the Arabian bazaar, the Greek ágora and the Paris markets. This use of public space for commerce will undergo great changes after the Industrial Revolution, when products began to be produced in large scale and when population as a whole started to have access to the the places that sold these goods. It is the time of the appearance of big department stores and commercial arcades. Arcades, also called passages, first appeared in Paris, in the end of the 19th century, and spred throughout the world, modifying the relations between public and private in the urban space of cities. Being a private facility, accessible to the public in general, it was possible to browse through it without buying something. Differently from indoor shopping centres these spaces related in a more open way with the city, without visible barriers between public, private or semi-private spaces. In São Paulo commercial arcades appeared in the 20th century, following the Frnech idea of increasing the "profitable" areas of buildings. Most of them exist up to now and are located downtown. With their uses focused on commerce, many of them have specialised in one type of product. They are still used as passages by pedestrians who only wish to cross blocks through their interior. This research aims to analyse some of these places from the point of view of the relation established between public and private spaces taking into consideration the access, internal circulation and other important items in the project of each one of these arcades.
Palavras-chave: galerias comerciais;  espaço público;  espaço privado;  não-lugares;  commercial arcades;  public spaces;  private spaces;  non-place
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ARQUITETURA E URBANISMO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Arquitetura e Urbanismo
Programa: Arquitetura e Urbanismo
Citação: MACHADO, Joana Sarue. O lugar das galerias do centro de São Paulo: relações entre espaço público e privado. 2008. 154 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/2635
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/12080
Data de defesa: 13-Ago-2008
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/1/Joana%20Sarue%20Machado1.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/2/Joana%20Sarue%20Machado2.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/3/Joana%20Sarue%20Machado3.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/4/Joana%20Sarue%20Machado4.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/5/Joana%20Sarue%20Machado5.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/6/Joana%20Sarue%20Machado6.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/7/Joana%20Sarue%20Machado7.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/8/Joana%20Sarue%20Machado8.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/9/Joana%20Sarue%20Machado9.pdf
http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/2635/10/Joana%20Sarue%20Machado10.pdf
Aparece nas coleções:Arquitetura e Urbanismo - Dissertação – FAU Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.