Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/11869
Tipo do documento: Tese
Título: Viver a cidade, envelhecer na cidade: os espaços públicos como interface para o envelhecimento pessoal
Autor: Pfutzenreuter, Andrea Holz
Primeiro orientador: Alvim, Angélica Aparecida Tanus Benatti
Primeiro membro da banca: Castro, Luiz Guilherme Rivera de
Segundo membro da banca: Schicchi, Maria Cristina da Silva
Terceiro membro da banca: Bruna, Gilda Collet
Resumo: Esta tese discute a organização e a qualidade do espaço urbano como possibilidade de encontros, simultaneidade de acontecimentos e convívio das diferenças, e principalmente como meio para estimular a interação entre as gerações e o aumento da qualidade de vida no âmbito de uma sociedade cada vez mais longeva. Analisa-se os Projetos Cidade Amiga do Idoso da ONU e Cidade Acessível é Direitos Humanos da Secretaria dos Direitos Humanos do Brasil que em geral concedem títulos aos municípios que aderem às suas diretrizes. Discute-se o caso de Joinville (SC), município do sul do Brasil, que vem implementando um conjunto de ações voltadas para a melhoria da acessibilidade dos espaços públicos, com enfoque nos idosos, no âmbito de um importante programa federal Projeto Cidade Acessível é Direitos Humanos. Sem a pretensão de comparação, o caso de Jena, município situado na região da Turíngia, Alemanha, é apresentado nesta tese como um exemplo de um processo de planejamento sistêmico e contínuo que atende às necessidades da intergeracionalidade, sem estar envolvido no âmbito de programas governamentais que dão títulos às cidades. Dessa forma, a utilização dos princípios de planejamento de uma Cidade para Todos, de Jan Gehl (2010), como metodologia de análise e contextualização, enaltece a importância entre a distribuição das funções das cidades para integrar e prover experiências diferenciadas às pessoas, convidando-as a aumentar a sua permanência nos espaços públicos, melhorando suas condições de vida e salubridade psicossociais, indiferentemente ao título existente ou ao rótulo proposto pelos projetos. Reafirma-se que uma cidade não pode ser avaliada meramente por suas aplicações de normativas e especificações técnicas, mas deve considerar a metodologia de análise de uma forma holística e que compreenda a dimensão humana para o conceito de qualidade de vida nos espaços públicos, que de forma completamente heterogênea e individual deve ser tratada coletivamente.
Abstract: This thesis discusses the organization and the quality of urban space as a possibility for meetings, events and simultaneous coexistence of differences, and especially as a means to stimulate the interaction between generations and enhancing the quality of life within an increasingly long-lived society. We analyze the projects ' age-friendly city " and UN " Accessible City 's Human Rights " of the Secretariat of Human Rights of Brazil, which generally grant titles to municipalities that adhere to their guidelines. Discusses the case of Joinville (SC), a town south of Brazil , which has been implementing a series of actions aimed at improving the accessibility of public spaces , focusing on the elderly, within a major Federal City Project Access program is Human rights . Without intending to compare the case of Jena, the municipality located in Thuringia, Germany, the region is presented in this thesis as an example of a systemic and continuous process of planning that meets the needs of intergenerational without being involved in the context of government programs giving titles to cities. Thus, the use of the principles of planning a City for All, Jan Gehl (2010), as a method of analysis and contextualization, extols the importance of the distribution of the functions of cities to integrate and provide unique experiences to people, inviting them to raise their stay in public spaces, improving their living conditions and psychosocial health, regardless the existing title, or projects proposed by the label. It is reiterated that a city cannot be judged merely by its applications on standards and technical specifications, but should consider the methodology of analysis in a holistic way and to understand the human dimension to the concept of quality of life in public spaces, which completely heterogeneous and individually should be treated collectively .
Palavras-chave: envelhecimento;  políticas públicas;  espaço urbano;  elderly;  public politicies;  urban spaces
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ARQUITETURA E URBANISMO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Sigla da instituição: UPM
Departamento: Arquitetura e Urbanismo
Programa: Arquitetura e Urbanismo
Citação: PFUTZENREUTER, Andrea Holz. Viver a cidade, envelhecer na cidade: os espaços públicos como interface para o envelhecimento pessoal. 2014. 157 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2014.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/481
http://dspace.mackenzie.br/handle/10899/11869
Data de defesa: 14-Fev-2014
metadata.dc.bitstream.url: http://tede.mackenzie.br/jspui/bitstream/tede/481/1/Andrea%20Holz%20Pfutzenreuter.pdf
Aparece nas coleções:Arquitetura e Urbanismo - Teses - FAU Higienópolis

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.